Em clima de cautela, dólar abre em alta a R$ 2,233

Em meio ao clima de compasso de espera e cautela do mercado em função das expectativas que cercam a reunião do Federal Reserve (o banco central dos Estados Unidos), marcada para quinta-feira, um fator técnico começou ontem a influenciar os negócios com dólar: a proximidade do vencimento dos contratos futuros de julho. E o movimento em torno da rolagem de posições no mercado futuro deve acirrar-se hoje, podendo alterar os rumos das cotações e a liquidez. De qualquer forma, o pano de fundo para as transações continua sendo o cenário externo onde, até agora a terça-feira não está sendo das mais promissoras. Nesta manhã, as bolsas européias operavam no negativo. Os índices futuros das bolsas norte-americanas também exibiam desvalorização. O dólar operava em pequena alta perante o euro. As taxas de juros dos títulos do Tesouro dos EUA, porém, recuavam e podem ser um motivo para alívio já que tendem a ser o ativo mais monitorado pelos investidores domésticos. Ontem, foi a alta de juros dos títulos que levou o dólar à valorização no mercado eletrônico futuro, após o fechamento. Na abertura do pregão viva-voz na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) o dólar subia a R$ 2,235, mas às 9h16 era cotado a R$ 2,233 (+0,34%). E a perspectiva é de que a cotação não se afaste muito da estabilidade, com pequena tendência de ganho.

Agencia Estado,

27 de junho de 2006 | 09h22

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.