Em dia de Copa, dólar fecha em queda de 0,13%

Com fechamento da BM&F e sessão mais curta, volume de negócios foi baixo; BC não realizou os leilões de contratos de swaps cambiais

Clarissa Mangueira,  da Agência Estado

12 de junho de 2014 | 13h21

No fim de uma sessão mais curta e com baixo volume de negócios por conta do feriado de abertura da Copa do Mundo em São Paulo, o dólar terminou em queda em relação ao real nesta quinta-feira, 12, cotado a R$ 2,2330 (-0,13%) no balcão. O término dos negócios ocorreu quatro horas antes do horário normal, que é por volta das 16h30. O giro de negócios no balcão totalizou US$ 547,36 milhões, sendo US$ 497,36 milhões em D+2.

A taxa Ptax também fechou mais cedo, após três coletas diárias, menos que as quatro usuais. A Ptax encerrou cotada em R$ 2,2306, praticamente estável em relação ao encerramento de quarta-feira (R$ 2,2307). 

No início da sessão foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) os dados das vendas no varejo em abril. Segundo o instituto, as vendas do comércio varejista caíram 0,4% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, ficando dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam desde uma queda de 1,75% a uma alta de 1,00%, com mediana negativa de 0,10%. No varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas subiram 0,60% em abril ante março, na série com ajuste sazonal. O resultado veio no piso do intervalo das estimativas dos analistas, de expansão de 0,60% a 3,00%, com mediana 1,25%.

A queda do dólar no mercado doméstico ficou em linha com o recuo da moeda norte-americana no exterior. Durante a manhã, lá fora, o dólar reverteu a trajetória inicial de valorização ante o iene e o euro após a divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego e das vendas no varejo dos EUA. As vendas subiram 0,3% em maio ante abril, abaixo da previsão de alta de 0,7%. Os pedidos de auxílio-desemprego aumentaram 4 mil na semana encerrada em 7 de junho, para 317 mil, superando a projeção de 310 mil solicitações.

Por causa do início da Copa e fechamento da BM&FBovespa, hoje o BC não realizou os leilões de contratos de swaps cambiais, incluindo o de rolagem. O mercado ainda está na expectativa de saber qual será o volume dos leilões de swap cambial na próxima etapa do programa e alguns analistas avaliam que o BC poderá esperar pela reunião de política monetária do Federal Reserve, na próxima semana, para definir os montantes a serem ofertados. A instituição informou ontem que realizará, amanhã, normalmente dois leilões, incluindo um de rolagem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.