Embraer lamenta paralisação de funcionários

A Embraer lamentou a paralisação das atividades ocorrida nesta terça-feira nas instalações da companhia em São José dos Campos (SP). "A empresa lamenta que seus empregados tenham sido impedidos de ter acesso ao seu local de trabalho, em desrespeito a seu direito constitucional de ir e vir", declarou a empresa, em nota encaminhada na tarde de hoje.

LUCIANA COLLET, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014 | 16h58

Conforme divulgou o sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, cerca de 7 mil dos 12 mil trabalhadores dos setores produtivo e administrativo da Embraer em São José dos Campos iniciaram na manhã de hoje uma greve de 24 horas por um reajuste de 10% nos salários, ante uma proposta de 6,6% da companhia. A Embraer também informou que continua aguardando o desfecho das negociações entre sua representação patronal, a Fiesp, e o sindicato.

A paralisaçÃo ocorre no mesmo dia em que a Embraer apresenta, na unidade de Gavião Peixoto (SP), interior paulista, o protótipo do cargueiro militar KC-390. Questionados durante o evento, executivos da empresa não se pronunciaram a respeito da paralisação. (Colaborou Gustavo Porto)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.