Embraer quer ser a maior do mundo em jatos executivos

A Embraer, quarta maior fabricante de aviões do mundo, abriu espaço ontem entre as gigantes Boeing e Airbus na feira de aviação de Farnborough, na Inglaterra, para declarar seu propósito de dominar o segmento de aviões de luxo. A companhia calcula que o mercado demandará 9.680 aviões executivos nos próximos dez anos, e quer aproveitar a todo custo a expansão desse mercado, que também atrai seu grande adversário, o grupo canadense Bombardier.?Estamos dispostos a nos tornar um competidor forte no campo dos aviões executivos. Hoje em dia, temos uma posição financeira sólida?, disse o presidente da Embraer, Maurício Botelho, em entrevista coletiva. Os números parecem apontar nessa direção, já que a carteira de pedidos de aviões executivos subiu para US$ 1,25 bilhão no primeiro semestre do ano, anunciou a companhia.?Esse número é quase cinco vezes maior que o de um ano atrás, por isso estamos muito felizes?, disse o vice-presidente do segmento de aviões executivos, Luís Carlos Affonso. As estrelas da companhia nesse segmento são os mini-jatos Phenom 100 e Phenom 300, lançados há menos de um ano, e que têm capacidade para seis a nove passageiros. A empresa já contabiliza a venda de 235 desses aviões, sem contar as opções de compra, que não são reveladas.Entre os clientes, empresas de fretamento de vôos, empresários, artistas, esportistas e muitos brasileiros. ?Os maiores mercados são os EUA e a Europa, mas também estamos vendendo para o Brasil, América do Sul e Oriente Médio, entre outros lugares?, disse Affonso. Os mini-jatos começam a ser entregues em dois anos e, a partir de 2009, espera-se a produção de 120 a 150 unidades destes modelos por ano. Além dos Phenom, a Embraer conta ainda nesse segmento com o Legacy 600, para até 16 passageiros, e o recém-lançado Lineage 1000, para até 19 pessoas.No mercado executivo desde 2000, com o Legacy 600, a Embraer percebeu um crescimento na categoria até o ano passado de 13%, e este ano deve chegar a 13,5%. Atualmente 76 Legacy voam em 18 países. Com o portfólio maior, depois do lançamento do Phenom e agora com o Lineage, a expectativa da Embraer é ficar com a fatia de 30% do mercado mundial.Os principais concorrentes dos mini-jatos são os fabricados pelas americanas Cessna e Eclipse, mas os aviões brasileiros acabaram ganhando o mercado porque são os maiores da categoria, com maior espaço para a bagagem, o que neste modelo é considerado um fator essencial. Quanto ao Lineage 1000, o maior avião executivo da Embraer, com cama, chuveiro e escritório, Affonso revela apenas que já há muitas cartas de intenção para a compra. ?A aceitação também tem sido boa, estamos finalizando a definição dos espaços internos para transformar as cartas de intenção em contratos?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.