Empresas brasileiras sobem na lista da revista Fortune

As empresas brasileiras ganharam posições no ranking das 500 maiores companhias do mundo elaborado pela revista Fortune. A Petrobras, primeira brasileira da lista, saltou do 125º lugar no ano passado para o 86º este ano. O Bradesco pulou da 376ª posição para a 269ª, o Banco do Brasil da 419ª para a 323ª, e a holding Itaúsa, que não havia entrado na lista de 2005, ocupa agora a 415ª posição.O ranking deste ano é dominado pelas empresas de petróleo, reflexo imediato da disparada do preço do combustível nos últimos tempos. Das dez maiores empresas da lista, cinco são petrolíferas, incluindo a primeira do ranking, a americana ExxonMobil. Também são produtoras de petróleo a anglo-holandesa Royal Dutch Shell (3ª), a britânica BP (4ª) e as americanas Chevron (6ª)e ConocoPhillips (10ª). A varejista americana Wal-Mart, a primeira em 2005, ocupa este ano o segundo lugar.De acordo com a Fortune, o predomínio das petrolíferas nos primeiros postos da lista é produto de uma década de consolidação entre as empresas do setor, combinada com a escalada dos preços do petróleo e o aumento na demanda global por combustíveis. Com isso, as receitas da Exxon subiram 26% na comparação com o ano anterior, chegando a US$ 339,9 bilhões. O lucro da empresa em 2005 foi de US$ 36 bilhões, o maior já registrado no ranking da Fortune.Além das empresas de petróleo e da Wal-Mart, a lista das dez primeiras é completada por fabricantes de automóveis: a americana General Motors (5ª), a germano-americana DaimlerChrysler (7ª), a japonesa Toyota (8ª) e a também americana Ford (9ª). O que não quer dizer que essas empresas estejam todas indo bem. A General Motors enfrenta uma profunda crise. Teve prejuízo de US$ 10,6 bilhões no ano passado e anunciou um plano de reestruturação que inclui a demissão de 30 mil empregados e o fechamento de 12 fábricas na América do Norte até 2008. Ford e DaimlerChrysler também vêm perdendo espaço no mercado americano.As economias emergentes ganharam mais espaço na lista deste ano. A China, que contava com 16 empresas na lista do ano passado, colocou mais quatro este ano: China Railway Engineering, Shanghai Automotive Industry Corp., China Railway Construction e China State Construction. O México adicionou mais três empresas ao ranking - América Telecom, Carso Global Telecom e Cemex -, que se juntam à Pemex e à CFE, da área de energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.