Eneva terá R$ 300 mi do BNDES e bancos para Pecém II

A Eneva anuncia que foi aprovada uma linha de crédito de longo prazo de R$ 300 milhões com o BNDES e algumas das instituições financeiras participantes do Plano de Estabilização da companhia, anunciado em 12 de maio de 2014, que envolve os bancos BTG Pactual, Citibank, HSBC e Itaú Unibanco.

LUANA PAVANI, Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2014 | 11h45

A finalidade é reperfilamento da dívida de curto prazo da usina termelétrica de Pecém II e Eneva e futuros compromissos dessas partes, conforme comunicado ao mercado. "O desembolso desse montante está sujeito a condições precedentes", informa a nota.

Além disso, a Eneva afirma ter obtido o suporte das instituições financeiras e do BNDES para dar sequência ao Plano de Estabilização, "objetivando a preservação do caixa da Eneva e suas controladas, o reperfilamento das dívidas financeiras e o fortalecimento da estrutura de capital da companhia, em continuidade às medidas já implementadas e anunciadas anteriormente."

Tudo o que sabemos sobre:
EnevaBNDESPecém

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.