Equador quer nova estatal do petróleo para gerir campos da Occidental

O Equador planeja criar uma nova estatal de petróleo para administrar os três campos de petróleo que confiscou da norte-americana Occidental Petroleum, afirmou hoje o presidente da Petroecuador, Galo Chiriboga. Em maio, o governo equatoriano confiscou o bloco 15, bem como os campos Eden-Yuturi e Limoncocha, sob a alegação de que a Occidental quebrou o contrato operacional. A companhia nega a acusação e uma ação de arbitragem está em andamento."A unidade especial que atualmente administra estes campos é apenas uma medida de emergência; o procedimento correto é criar uma companhia para operá-las com eficiência no curto, médio e longo prazo", disse Galo Chiriboga em entrevista à Dow Jones. O executivo já se reuniu com a superintendência de companhias equatorianas para discutir as estruturas jurídicas e uma proposta deve ficar pronta na semana que vem.Além de criar uma companhia específica, o governo também quer estabelecer um fundo especial que receberia o lucro das operações. "Deste modo, teremos uma companhia que ficará encarregada da administração e das operações (dos campos) e um fundo que administre os lucros", disse Chiriboga. "O fundo será majoritariamente do Ministério das Finanças equatoriano, que provavelmente ficará com 99% das ações, enquanto a Petroecuador ficaria com o 1% remanescente, declarou Chiriboga. Ele ressaltou que os porcentuais definitivos ainda precisam ser estabelecidos.O executivo pretende que fique claro, ainda nesta semana, se a questão exige uma nova lei ou se há algum modo de acelerar o processo. Segundo ele, o controle do fundo e da companhia não será transferido para o setor privado. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.