Esforços diplomáticos para evitar ataque à Síria derrubam preço do petróleo

Receio em relação a uma possível intervenção ocidental no país governado por Bashar al-Assad ficou reduzido

13 de setembro de 2013 | 07h33

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa, enquanto os esforços diplomáticos relacionados à Síria seguem reduzindo os receios de uma intervenção militar no país liderada pelos EUA. Além disso, o movimento negativo dos preços da commodity estão em linha com o dos mercados de ações nesta manhã.

"As vendas hoje devem-se realmente a duas coisas: a questão da Síria ficando para trás e a liquidação geral nos mercados" após vários dias de ganhos, afirmou Bjarne Schieldrop, analista da SEB Commodity Research. A Rússia e os EUA iniciaram negociações sobre a situação da Síria, o que torna a possibilidade de ataques aéreos ao país muito remota, acrescentou.

O próximo guia para os mercados provavelmente será a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve, na próxima semana. Analistas do mercado de petróleo também destacam que a Líbia é a força mais saliente com relação aos fundamentos dos preços.

"A produção da Líbia, de acordo com o relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), caiu para a mínima de 150 mil barris por dia no início deste mês, à medida que agitações sociais paralisaram a produção das refinarias e as operações dos portos", disse Kash Kamal, da Sucden Financial, em nota a clientes. Olhando adiante, os dados da AIE também indicaram demanda maior e oferta abundante no próximo ano.

Às 6h51 (de Brasília), o petróleo para outubro negociado na Nymex caía 0,88%, para US$ 107,64 por barril, e o brent para outubro recuava 0,33% na ICE, para US$ 112,26 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.