Espanha pode nacionalizar temporariamente 'cajas', diz jornal

Operação para estatizar as instituições de poupança do país deve ser feita por meio do Fundo para a Reestruturação Ordenada dos Bancos, afirma o espanhol El País

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 09h18

O governo da Espanha pode decidir nacionalizar parcialmente e temporariamente os bancos de poupança do país, conhecidos como "cajas", por meio do Fundo para a Reestruturação Ordenada dos Bancos (Frob), para ajudar a recapitalizar as instituições, afirmou o jornal espanhol El País.

Dadas as dificuldades que esses bancos enfrentam para levantar fundos sozinhos, o Frob poderia intervir e ajudá-los a obter recursos de investidores privados. Ou, "em último caso, o Frob poderia injetar fundos diretamente comprando fatias nas instituições temporariamente", afirmou o jornal, citando um prospecto do Frob distribuído a investidores.

O governo da Espanha também estaria preparando outra medida para reestruturar o setor bancário do país. Segundo o jornal Cinco Días, o Banco da Espanha está considerando elevar o limite de capital mínimo dos bancos para perto de 8%, em comparação com o atual nível de 4%. No entanto, não está claro quando essa medida entraria em vigência.

Atualmente, todas as instituições financeiras espanholas superam o patamar de 6% na proporção de capital Tier 1 - medida da adequação de capital de um banco. O movimento do Banco da Espanha poderia provocar mais consolidação não apenas entre as cajas, mas também entre bancos tradicionais e cajas, de acordo com o Cinco Días.

O setor bancário tem sido o principal foco de problemas do governo espanhol enquanto o país tenta sair da crise recente. Hoje, no entanto, o Goldman Sachs fez uma avaliação positiva sobre os esforços da Espanha e disse que o país não tem problemas de solvência. Mesmo sob um cenário pessimista, a proporção entre a dívida e o Produto Interno Bruto (PIB) espanhóis pode ser estabilizada em cerca de 90%.

O Goldman considerou que o governo espanhol não terá problemas em pagar suas dívidas e acrescentou que a economia espanhola teria de se deteriorar significativamente antes de impor um risco de solvência para o governo. Segundo o cenário básico do Goldman, a dívida espanhola vai começar a diminuir depois de 2013, enquanto em um cenário mais pessimista a dívida atingirá o pico em 2016. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.