Especial: BM&F planeja minicontrato para incentivar pessoa física

Para aproveitar a retomada da discussão do ouro como opção de investimento e o incremento de operações pela internet do investidor individual, a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) quer lançar em cerca de dois meses um minicontrato do metal. "Temos o apelo das incertezas geopolíticas globais e o interesse do pequeno investidor pelo webnegócio", justifica o diretor de Produtos Financeiros e Ambientais da BM&F, Álvaro Mendonça. O minicontrato vai corresponder a 10% do contrato atual, que equivale a 250 gramas de ouro. "Portanto, cada minicontrato representará 25 gramas", diz Mendonça, esclarecendo que os sistemas da Bolsa estão sendo adaptados para a transação, daí o prazo estimado de 60 dias para lançar o produto. Ele também cita como estímulo ao minicontrato a necessidade de menor quantidade de recursos para a aplicação. Exemplificando: o grama do ouro encerrou a R$ 45,00 na BM&F na sexta-feira, o que representaria R$ 11.250 para um contrato padrão e R$ 1.125 para um minicontrato. A BM&F já oferece minicontratos de Ibovespa, dólar, boi gordo e café arábica, que têm despertado, no mínimo, a curiosidade dos pequenos investidores pois são sempre mais baratos que os contratos tradicionais. Os minicontratos são negociados por um chamado webtrading, mecanismo de negociação virtual muito parecido com o home broker da Bovespa. No webtrading, o próprio cliente insere ofertas de compra e venda em seu nome, utilizando o site de uma das corretoras associadas. Para o administrador de investimentos Fabio Colombo, é cedo para dizer se o produto terá ampla liquidez. "A diversificação de uma carteira de investimentos, incluindo o ouro, é um movimento de aplicadores com muito dinheiro para investir, então é preciso esperar para ver se os pequenos terão realmente interesse." Apesar disso, ele comenta que as chances de venda rápida tendem a crescer. Colombo insiste, porém, que aplicar em ouro significa uma diversificação em moeda estrangeira e, como tal, merece parcelas reduzidas da carteira de cada um.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.