Espera para compra de caminhões já chega a 6 meses

A explosão na produção de cana-de-açúcar, puxada pelo álcool, e a melhora dos preços da soja, que vão ajudar o País a registrar safra recorde neste ano, além do crescimento no setor de minérios, inflaram o mercado de caminhões e máquinas agrícolas. Há fila de espera de até seis meses em veículos para o transporte desses produtos. A Iveco decidiu criar um segundo turno de trabalho para dar conta das encomendas. A companhia abriu 60 novos empregos na fábrica de Sete Lagoas (MG) e adotou o segundo turno de trabalho na linha de veículos pesados. A produção passou de 10 para 15 unidades diárias. "Ainda não é suficiente para atender à alta demanda", diz Luigi Vicarioli, diretor comercial da montadora na América Latina. "Estudamos maneiras de aumentar ainda mais a produção." No primeiro trimestre, as vendas de caminhões pesados da Iveco aumentaram 49% em relação ao mesmo período de 2006, para 349 unidades. A Scania pede seis meses para entrega de caminhões de transporte de cana, soja e minérios. O normal seriam três meses, diz o diretor de compras Magnus Boman. Segundo ele, há dificuldades em adquirir algumas peças, parte delas importadas, pois o mercado internacional também está aquecido. Na linha Ford, há espera para veículos usados no transporte de cana e grãos e na construção civil. Para alguns modelos é preciso aguardar 60 dias. Em épocas de menor demanda, o prazo máximo é de 20 dias. No primeiro trimestre, foram vendidos 20,8 mil caminhões de todas as marcas no País, 19,4% a mais ante igual período do ano passado. Os modelos pesados e semipesados, próprios para o transporte de cana, soja e minérios tiveram vendas 43,4% maiores que em 2006, com 5,8 mil unidades. No ano passado, o mercado interno consumiu 76,2 mil caminhões, 5,1% a menos que em 2005, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.