AFP
AFP

EUA entram em horário de verão; veja o que muda nos mercados

A partir do último domingo, 8, EUA, o Canadá e alguns países do Caribe tiveram que adiantar relógios

Danielle Chaves, O Estado de S. Paulo

09 de março de 2015 | 10h24

SÃO PAULO - Os EUA, o Canadá e alguns países do Caribe entraram em horário de verão neste domingo, 8, adiantando seus relógios em uma hora. Na Costa Leste dos EUA, que inclui Nova York e Washington, os relógios deverão ser adiantados às 2h locais.

Com isso, a Costa Leste dos EUA passará a estar quatro horas atrás do padrão planetário GMT (Greenwich Mean Time) e uma hora atrás de Brasília; a chamada zona central dos EUA, que inclui Chicago (Illinois), ficará cinco horas atrás do padrão GMT e duas horas atrás de Brasília; a chamada zona das montanhas, que inclui Denver (Colorado), ficará seis horas atrás do padrão GMT e três horas atrás de Brasília; a chamada zona do Pacífico, que inclui Seattle (Washington) e Los Angeles (Califórnia), ficará sete horas atrás do padrão GMT e quatro horas atrás de Brasília.

No Canadá, Toronto e Montreal passarão a estar quatro horas atrás do padrão GMT e uma hora atrás de Brasília; Vancouver passará a estar sete horas atrás do padrão GMT e quatro horas atrás de Brasília.

A Bolsa de Nova York passa a operar das 10h30 (de Brasília) às 17h (de Brasília).

Para adequar-se ao horário do mercado de Nova York, a Bolsa da Cidade do México passa a operar das 10h30 (de Brasília) às 17h (de Brasília). Isso vale até 5 de abril, quando o México entra em horário de verão.

No viva-voz da New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos futuros de petróleo passam a ser negociados das 10h (de Brasília) às 15h30 (de Brasília).

Na Comex, divisão de metais da Nymex, os contratos futuros de cobre passam a ser negociados das 9h10 (de Brasília) às 14h (de Brasília); os contratos futuros de ouro, das 9h20 (de Brasília) às 14h30 (de Brasília).

Os EUA e o Canadá saem do horário de verão em 1 de novembro. 

Tudo o que sabemos sobre:
Mercado financeirobolsa de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.