Euro cai com dados econômicos externos fracos

O euro e a libra estenderam as perdas ante o dólar, à medida que uma série de dados econômicos decepcionantes se juntaram a temores sobre o fraco crescimento econômico mundial, ofuscando um leilão de bônus bem-sucedido da Espanha.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

20 de setembro de 2012 | 09h05

O euro caiu abaixo de US$ 1,30 na sessão europeia, após um relatório mostrar que o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar da China, medido pelo HSBC, subiu ligeiramente para 47,8 em setembro em comparação com a leitura final de 47,6 em agosto. A leitura preliminar de setembro marca o 11º mês seguido em que o índice está em território de contração.

Um outro relatório apontou que o índice dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) composto da França caiu para 44,1 em setembro, de 48,0 em agosto, o que indica a maior contração em três anos e meio.

Junto com os dados ruins da atividade industrial francesa, as notícias da China afetaram o sentimento em torno de moedas consideradas relativamente arriscadas e apostas sensíveis ao crescimento econômicos e pesou sobre os mercados acionários.

No entanto, nem tudo foi negativo. Houve alguns sinais encorajadores n Alemanha, com o índice dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) composto subindo para 49,7 em setembro, de 47,0 em agosto, se aproximando da marca de 50 acima da qual o indicador aponta expansão da atividade. O resultado indica que o setor privado alemão teve a menor contração desde abril.

O dólar australiano, que acompanha de perto a economia da China, devido ao grande setor exportador de minério australiano, recuperou-se para o nível de US$ 1,04, após um início de sessão fraco.

Mas o tom no geral foi pessimista, enquanto as preocupações sobre a situação da economia da Espanha permanecem, apesar de o Tesouro Espanhol ter vendido 4,8 bilhões de euros (US$ 6,3 bilhões) em bônus de três e dez anos em um leilão na manhã desta quinta-feira, levemente acima do valor máximo pretendido de 4,5 bilhões de euros, e com juros menores.

O iene continuou a ganhar força ante o dólar um dia após o Banco do Japão (BoJ) anunciar novas medidas de estímulo. Os participantes do mercado disseram que o lançamento de outra rodada de relaxamento quantitativo pelo Federal Reserve (Fed) na semana passar poderá subjugar a ação do Banco Central japonês, o que poderá impulsionar o iene em relação a moeda norte-americana.

Às 8h45 (pelo horário de Brasília), o euro estava sendo negociado em US$ 1,2950, de US$ 1,3040 no fim da quarta-feira (19) em Nova York. O dólar operava em 78,20 ienes, de 78,73 ienes na quarta-feira (19). A libra era negociada em US$ 1,6191, de US$ 1,6220. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
euroEuropaChinaqueda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.