Euro recua pressionado pelo impasse com relação à crise da Grécia

Investidores continuam esperando que os problemas de financiamento do governo grego sejam resolvidos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de junho de 2011 | 08h59

O euro mais uma vez foi pressionado pelo impasse com relação à crise da Grécia e chegou a cair abaixo de US$ 1,42 no começo do dia, atingindo a mínima de US$ 1,4191. Os investidores continuam esperando que os problemas de financiamento do governo grego sejam resolvidos.

No entanto, as expectativas de que as negociações durante a reunião de ministros da zona do euro realizada ontem resultassem em uma solução firme foram por água abaixo. Em vez disso, as autoridades afirmaram apenas que esperam que as prolongadas negociações terminem em julho.

Os testes para a moeda europeia nos próximos dias incluem um voto de confiança para o novo governo grego, marcado para amanhã. Além disso, haverá uma votação sobre o orçamento da Grécia no dia 28 de junho. "A dinâmica interna da política grega injeta incerteza em todo o processo e, da perspectiva dos mercados financeiros, ameaça causar mais volatilidade e risco de contágio", comentou Neil MacKinnon, estrategista do VTB Capital.

Por outro lado, existem motivos para acreditar em um limite para a queda do euro, como a decisão sobre política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), na quarta-feira. Analistas do BNP Paribas observaram que os formadores de política norte-americanos provavelmente vão manter uma posição menos agressiva sobre a inflação, um fator que vai pesar sobre o dólar - especialmente diante do iene.

Às 9h02 (de Brasília), o euro caía para US$ 1,4225, de US$ 1,4302 no fim da tarde de sexta-feira, e para 114,07 ienes, de 114,51 ienes. O dólar subia para 80,27 ienes, de 80,05 ienes na sexta-feira, e recuava para 0,8469 franco suíço, de 0,8489 franco suíço. A libra operava a US$ 1,6168, de US$ 1,6186. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
euroGréciaajudaFed

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.