Euro recupera-se de mínima em quatro anos

Boatos de que BCE pode adotar medidas para conter queda da moeda provocam alta de 1,5% ante dólar

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

19 de maio de 2010 | 18h44

O euro recuperou-se das cotações mínimas em quatro anos em uma sessão na qual os investidores passaram a apostar na possibilidade de uma resposta das autoridades europeias à acentuada depreciação da moeda.Especulações de que o Banco Central Europeu (BCE) poderia adotar medidas para tentar conter a queda do euro ajudaram a divisa a avançar mais de 1,5% ante o dólar ao longo desta quarta-feira.

O BCE e o Federal Reserve recusam-se a comentar eventuais intervenções, mas os rumores por si só foram suficientes para deter a recente e veloz queda da moeda comum europeia.

"A ameaça de uma possível intervenção do banco central está realmente obrigando alguns traders a aliviar suas pesadas apostas contra o euro", observou Joe Manimbo, analista de mercado da Travelex Global Business Payments.

"Ainda precisamos ver o quanto isso vai durar, pois é amplamente esperado que o euro tenha dificuldade para sustentar qualquer recuperação devido aos temores com relação à zona do euro", afetada pela crise da dívida de países de sua periferia, prosseguiu Manimbo.

No overnight, antes da recuperação com os rumores de intervenção, o euro renovou a mínima em quatro anos, caindo a US$ 1,2134 em meio a temores de que a crise na periferia da zona do euro seria agravada pela proibição, imposta pela Alemanha, a posições vendidas a descoberto em bônus governamentais denominados em euros, swaps de default de crédito de governos da zona do euro e ações das dez maiores instituições financeiras da Alemanha.

Queda forte em 2010

O euro já caiu quase 15% neste ano, às vezes num ritmo muito acelerado, o que levou observadores do mercado a acreditarem que o BCE poderia ser levado a agir.

As especulações ganharam força apesar da percepção de que o BCE não é propenso a intervenções no mercado de câmbio e em raras ocasiões recorreu a tal artifício durante sua relativamente curta existência.

"O BCE não se incomoda com a queda do euro", acredita Brian Dolan, estrategista cambial da Forex.com. "Mas as autoridades do banco também não gostam de ver isso acontecer em dois dias, uma semana ou 12 horas", comentou.

Apesar do alívio vivido hoje pela moeda comum europeia, a perspectiva é de que o euro em breve sucumba a questões de mais longo prazo como o lento crescimento e a situação da crise soberana da região, avaliou Win Thin, estrategista cambial da Brown Brothers Harriman.

No fim da tarde, em Nova York, o euro era negociado a US$ 1,2391, de US$ 1,2209 ontem; o dólar era cotado a 91,54 ienes, de 92,34 ienes na ontem; a libra estava em US$ 1,4415, de US$ 1,4328 ontem. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
moedaseurodólarienecrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.