Euro segue de lado à espera de fala de Trichet

Presidente do Banco Central Europeu (BCE),  discursa durante evento em Frankfurt, a partir das 10h (de Brasília)

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

19 de maio de 2011 | 09h15

O mercado de moedas opera limitado pela espera do discurso do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, a partir das 10h (de Brasília), e falta de novas notícias para orientar os investidores. O dólar subiu contra o iene, enquanto o euro saiu das mínimas após o resultado difuso do leilão de bônus da Espanha, ao mesmo tempo em que autoridades do BCE reiteraram hoje oposição à reestruturação da dívida da Grécia.

Às 9h18 (de Brasília), o euro operava a US$ 1,4268, de US$ 1,4250 registrado no fim do dia de ontem em Nova York; o dólar subia para 81,91 ienes, de 81,68 ienes ontem.

"O mercado está oscilando na esteira da ata do Fed ontem", disse um operador. A ata da reunião de abril mostrou que as autoridades do Fed estavam de acordo sobre deixar o expressivo balanço do banco central ter reduzido lentamente como um primeiro passo em direção ao aperto da política monetária. Mas também que, de qualquer maneira, o Fed não está pronto para iniciar tal plano até que estejam seguros de que a economia pode sustentar tal mudança.

O discurso de Trichet deve ser observado de perto por investidores em virtude da crise grega. Mas enquanto não houver contágio a outros países, particularmente a Espanha, a moeda estará relativamente blindada, disseram participantes.

"O mercado sabe que haverá uma reestruturação de algum tipo da dívida da Grécia e está embutindo isso nos preços', disse um estrategista. "Para que haja realmente uma preocupação é necessário que a crise atinja países maiores da periferia da zona do euro", acrescentou.

Por enquanto, a Espanha está segura, como mostrou o leilão de 3,219 bilhões de euros de papéis do governo com vencimentos de 10 e 30 anos. O papel de 10 anos foi vendido com uma taxa menor do que no leilão anterior e o papel de 30 anos, superior. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.