Euro segue em alta, impulsionado por dado positivo de empresas na Alemanha

Valorização também reflete comentários do presidente do Eurogroup, Jean-Claude Juncker, de que uma solução para a crise de dívida da zona do euro virá em semanas

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 10h39

 O euro segue em alta nesta manhã, impulsionado pelo indicador positivo sobre sentimento das empresas na Alemanha e por comentários do presidente do Eurogroup, Jean-Claude Juncker, de que uma solução para a crise de dívida da zona do euro virá em semanas.

Em discurso feito ontem à federação de empresas de Luxemburgo, a Fedil, Juncker afirmou que as autoridades europeias deverão "formular uma resposta abrangente para a crise em algumas semanas, a contar a partir de agora," e disse que "diferentes questões estão sob análise". "Eu disse depois da reunião do Eurogroup que nós vamos acelerar nosso trabalho preparatório em direção a esse pacote abrangente", afirmou.

Em resposta, a moeda europeia acentuou o avanço sobre o dólar e atingiu US$ 1,3569 durante o pregão asiático, uma máxima em oito semanas. Antes disso, o euro registrou máximas em um mês diante do iene e do franco suíço, a 112,13 ienes e 1,3068 franco.

A pesquisa sobre sentimento das empresas na Alemanha ajudou a dar suporte para o euro. O índice de clima para negócios na Alemanha medido pelo instituto de pesquisa Ifo subiu para 110,3 em janeiro, do dado revisado de dezembro de 109,8, e ficou acima das estimativas de 110,0 dos analistas consultados pela Dow Jones.

A libra, enquanto isso, caiu brevemente a menos de US$ 1,59 após divulgação dos dados sobre vendas no varejo do Reino Unido em dezembro, que foram piores do que o esperado. As vendas caíram 0,8% em comparação com novembro e ficaram estáveis em relação a dezembro de 2009. O dado anual foi o mais fraco para um mês de dezembro desde que a série histórica teve início, em 1988.

Separadamente, o ministro do Comércio do Japão, Banri Kaieda, afirmou que a rápida valorização do iene é "muito indesejável". Segundo o ministro, o governo japonês deveria usar todas as medias possíveis, incluindo intervenção e afrouxamento monetário, para corrigir a moeda.

Às 10h42 (de Brasília), o euro subia para US$ 1,3550, de US$ 1,3473 no fim da tarde de ontem, e para 112,00 ienes, de 111,80 ienes ontem. O dólar recuava para 82,69 ienes, de 82,98 ienes, e avançava para 0,9629 franco suíço, de 0,9556 franco, enquanto a libra operava a US$ 1,5955, de US$ 1,5906 ontem. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.