Euro sobe após leilões bem-sucedidos de títulos

O euro avançou nesta terça-feira ante o dólar, impulsionado pela redução nos custos de financiamento de Espanha e Itália, à medida que os investidores se tornam cada vez mais confiantes que o Banco Central Europeu (BCE) deve anunciar em breve uma medida robusta para combater a crise da dívida na zona do euro.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

28 de agosto de 2012 | 19h09

No fim da tarde em Nova York, o euro estava cotado a US$ 1,2565, de US$ 1,2499 no fim da tarde da véspera. Em relação ao iene, o euro avançava para 98,65 ienes, de 98,43 ienes. Já o dólar recuava para 78,50 ienes, de 78,75 ienes. A libra esterlina subia para US$ 1,5826, de US$ 1,5792. E o índice ICE Dollar, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de seis principais rivais, recuava para 70,884 pontos, de 71,140 pontos.

Hoje a Espanha leiloou 3,607 bilhões de euros em títulos de três e seis meses. O yield médio do papel de três meses caiu para 0,946%, de 2,434% no leilão anterior; enquanto o yield do título de maior vencimento recuou para 2,026%, de 3,691%. Já a Itália vendeu 3 bilhões de euros em um bônus para maio de 2014 com cupom (juro nominal) zero. O yield caiu para 3,064%, de 4,860% no leilão anterior.

Enquanto isso, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, informou que não vai participar da conferência anual de bancos centrais em Jackson Hole, nos EUA, na sexta-feira. Isso alimentou especulações de que as autoridades europeias estão debatendo medidas robustas para conter a crise no bloco.

"O euro subiu e isso faz sentido quando se pensa que o BCE deve anunciar algo para aliviar as pressões sobre os países da periferia do bloco", comenta Aroop Chatterjee, estrategista de câmbio do Barclays. "Mas as soluções para encerrar essa crise ainda não estão na mesa e a decisão política necessária é muito difícil", acrescenta. A previsão do banco britânico é de que o euro deve oscilar em torno de US$ 1,21 nos próximos três meses.

Já Greg Anderson, estrategista do Citigroup, afirma que o euro pode registrar uma forte alta se o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, der indícios no seu discurso em Jackson Hole de que o banco central norte-americano está propenso a adotar uma terceira rodada de relaxamento quantitativo (QE3, na sigla em inglês). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
dólareurofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.