Euro tem máxima em 2 semanas ante o dólar por BCE

O euro subiu para o nível mais alto em duas semanas frente ao dólar na quinta-feira, depois de o presidente do banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, dizer que a instituição fará o que for necessário para preservar a união monetária na região. Os indicadores norte-americanos de encomendas de bens duráveis em junho e de pedidos de auxílio-desemprego feitos na semana passada, que superaram as previsões, também contribuíram para a melhora do sentimento dos investidores.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

26 de julho de 2012 | 18h51

Draghi deu a entender que o BCE poderá voltar a comprar bônus soberanos dos países da zona do euro, o que contribuiu para que o juro dos bônus de 10 anos da Espanha recuasse de 7,63% na quarta-feira para 6,90% no fim da tarde desta quinta.

Ainda assim, o diretor de mercados da Tempus Consulting, John Doyle, disse que continua acreditando no desempenho do dólar no médio prazo. Para ele, as declarações de Draghi "não são um motivo real para comprar o euro, até que o BCE faça alguma coisa de fato".

Julian Smith, chefe da mesa de câmbio do RBC Dexia em Londres, observou que "este é um mercado de verão, com volumes reduzidos, e eu vejo pouco alívio vindo da Europa. O mercado parece estar todo indo na mesma direção, com todo mundo buscando manter suas posições a descoberto ou vender em momentos de alta".

No fim da tarde em Nova York, o euro estava cotado a US$ 1,2281, de US$ 1,2158 na véspera, depois de ter alcançado a máxima de US$ 1,2330. O iene estava cotado a 78,23 por dólar, de 78,15 por dólar na quarta-feira; a libra estava cotada a US$ 1,5689, de US$ 1,5498 no pregão anterior. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
câmbioeurodólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.