Europa fecha em alta, puxada por setor de energia

Os papéis, inclusive de provedoras de eletricidade, subiram em meio a previsões de elevação do consumo em consequência da onda de frio que assola o Reino Unido

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2010 | 16h33

As bolsas europeias encerraram o dia em alta, a despeito das contínuas preocupações com a crise de dívida soberana dos países da periferia da zona do euro, enquanto as ações das companhias aéreas e das varejistas ressentiram-se dos prejuízos causados pelas severas condições de temperatura na região.

Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 19,86 pontos (0,34%), aos 5.891,61 pontos. As ações do setor de energia, inclusive de provedoras de eletricidade, subiram em meio a previsões de elevação do consumo em consequência da onda de frio que assola o Reino Unido; às ligadas a turismo e viagens, por sua vez, caíram (British Airways: -1,85%).

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em alta de 17,73 pontos (0,46%), aos 3.885,08 pontos, também influenciado pelo bom desempenho do setor de energia elétrica. As ações da GDF Suez fecharam em alta de 2,2%, enquanto os papéis da Suez Environnement ganharam 1,6%. Na ponta negativa, as ações do Credit Agricole caíram 2,1% depois de a instituição registrar baixa contábil de 1,25 bilhão de euros por sua participação de 4,79% na Intesa Sanpaolo.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em alta de 36,15 pontos (0,52%), aos 7.018,60 pontos. Operadores disseram que o pregão foi orientado por investidores que buscavam melhorar o desempenho de suas carteiras para o final de ano. As ações da companhia aérea Deutsche Lufthansa cederam 0,8%, após o cancelamento de centenas de voos em consequência da neve.

O índice FTSE-Mib, da Bolsa de Milão, fechou em alta de 304,48 pontos (1,52%), aos 20.373,66 pontos. Os ganhos foram puxados pelas ações do Banco Popolare, que fecharam com valorização de 5,6%, após um jornal italiano dizer que a Cariverona Foundation pode adquirir uma participação de 5% no banco.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 98,00 pontos (0,99%), aos 9.996,10 pontos. O pregão foi de baixo volume e o destaque foi a companhia de energia alternativa Abengoa (+4,6%), que concordou em juntar-se à japonesa Itochu para construir duas usinas de energia solar. Os papéis da Iberdrola subiram 3,5%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 fechou em alta de 58,28 pontos (0,75%), aos 7.844,70 pontos.

A Bolsa de Atenas seguiu na contramão dos demais mercados, com o índice ASE Composite fechando em queda de 48,22 pontos (3,22%), aos 1.449,79 pontos. O mercado foi influenciado por rumores de rebaixamento no rating do país pela Fitch e pelos comentários do gestor em Munique da Pimco de que a Grécia deveria sair da zona do euro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsasEuropadívidaenergiaGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.