Europa fecha em queda após dados dos EUA e do Reino Unido

Índice pan-europeu Stoxx 600 perdeu 0,78% e fechou em 263,47 pontos

Álvaro Campos, da Agência Estado,

16 de setembro de 2010 | 14h07

As principais bolsas europeias fecharam em queda, com dados econômicos decepcionantes nos EUA e no Reino Unido, que sugeriram que a recuperação nos dois países pode estar se desacelerando. As ações do setor bancário tiveram uma retração mais acentuada. O índice pan-europeu Stoxx 600 perdeu 2,07 pontos (0,78%) e fechou em 263,47 pontos.

Nos EUA, o índice de atividade do setor de manufatura do Fed (Federal Reserve) da Filadélfia subiu para -0,7 em setembro, de -7,7 em agosto, mas ficou abaixo da previsão dos economistas, que era de 0,0. Além disso, o déficit em conta corrente do país aumentou no segundo trimestre para US$ 123,3 bilhões, de acordo com o Departamento do Comércio. E o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,4% em agosto na comparação com julho, em termos sazonalmente ajustados.

Os indicadores da zona do euro foram bons, mas não conseguiram melhorar o sentimento. O bloco registrou um superávit comercial maior do que o esperado em julho, segundo a Eurostat, a agência de estatísticas da União Europeia. Os 16 países que usam o euro tiveram um superávit combinado em seu comércio de bens com o resto do mundo de ? 6,7 bilhões (US$ 8,75 bilhões) em julho, após registrarem um superávit de ? 2,2 bilhões em junho.

No Reino Unido, porém, o índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, foi pressionado pela redução de 0,5% nas vendas no varejo em agosto ante julho e fechou em queda de 15,42 pontos (0,28%), em 5.540,14 pontos. "Não parece ainda que os mercados estão prontos para devolver os ganhos acumulados este mês, mas os investidores estão certamente procurando mais razões convincentes para continuar comprando. O FTSE já acumula alta de mais de 5% em setembro", disse a IG Index.

Entre as maiores quedas da sessão britânica estiveram os papéis do grupo de telefonia BT Group, com retração de 3,05%, após sua recomendação ser rebaixada por um analista. O Lloyds Banking perdeu 1,32%, o grupo Old Mutual recuou 1,15% e o Royal Bank of Scotland caiu 2,46%. A varejista Kingfisher avançou 0,41%, após divulgar uma alta no lucro do primeiro semestre.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra DAX fechou em queda de 12,22 pontos (0,20%), em 6.249,65 pontos. O Deutsche Bank recuou 2,95% e o Deutsche Post perdeu 1,78%. A mineradora Kali & Salz Beteiligungs teve queda de 1,40%. Na mão contrária, as ações da Siemens subiram 2,94%, depois de o Morgan Stanley elevar sua recomendação e após notícias de que a empresa recebeu uma encomenda de US$ 1,3 bilhão para construir uma usina de energia em Omã, juntamente com sua parceira sul-coreana GS Engineering & Construction. A construtora Hochtief ganhou 5,14%, após a espanhola ACS anunciar uma oferta para adquirir uma participação de pouco mais de 50% na empresa.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, fechou em queda de 19,34 pontos (0,51%), em 3.736,30 pontos. O Credit Agricole registrou retração de 2,86%, o Société Générale caiu 1,28% e o BNP Paribas perdeu 1,20%. As ações das montadoras também tiveram um desempenho ruim, por causa das fracas vendas na Europa e em meio a notícias de que grandes fabricantes de caminhões estão sob investigação no Reino Unido por suspeitas de combinação de preços.

A Peugeot teve queda de 1,89% e a Renault recuou 1,98%, após o HSBC rebaixar sua recomendação. A Accor terminou com desvalorização de 0,88%, depois de anunciar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) para o cassino Lucien Barrière. Carrefour subiu 1,41%, no dia em que realizou sua conferência anual de investidores e divulgou que vai gastar ? 1,5 bilhão para renovar lojas na Europa.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em queda de 35,00 pontos (0,33%), em 10.716,80 pontos. O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, recuou 188,43 pontos (0,90%), e fechou em 20.684,36 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 caiu 43,06 pontos (0,58%) e fechou em 7.436,65 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropaFedzona do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.