Europa sobe com balanços positivos e mineradoras

Ganhos, porém, são limitados pela queda das ações do setor financeiro, que se seguiu à notícia de que a S&P rebaixou o rating do Japão

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2011 | 08h57

As bolsas europeias sobem, sustentadas pelas ações das mineradoras e os balanços positivos da AstraZeneca e do Sky Broadcasting Group. No entanto, os ganhos são limitados pela queda das ações do setor financeiro, que se seguiu à notícia de que a Standard & Poor's rebaixou o rating do Japão, e das ações do setor de varejo, depois de Hennes & Mauritz reportar um lucro líquido abaixo do esperado no quarto trimestre.

Às 9h01, a Bolsa de Londres subia 0,29%, a de Frankfurt avançava 0,47% e a de Paris ganhava 0,16%.

Embora o sentimento positivo também tenha sido impulsionado pelo comunicado do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), divulgado ontem, no qual afirmou que continuará a estimular a economia por meio da manutenção das medidas de política monetária, a decisão da Standard & Poor's de rebaixar o rating do Japão provocou nervosismo no início do pregão.

Nota de crédito

A S&P rebaixou o rating do Japão de AA para AA-, com perspectiva estável, dizendo prever que os déficits fiscais do país continuarão elevados nos próximos anos.

A notícia exacerbou a alta do spread (prêmio) dos swaps de default de crédito (CDS) das dívidas soberanas dos países periféricos da zona do euro. O spread dos CDS da dívida do governo da Espanha subiu 10 pontos-base, para 280 pontos-base, enquanto o CDS da dívida do governo português avançou 13 pontos-base, para 467 pontos-base. O CDS da dívida do governo da Grécia aumentou 17 pontos-base, para 280 pontos-base, e o da dívida do governo da Irlanda cresceu 8 pontos-base, para 630 pontos-base.

A queda das ações do setor de varejo também adicionou mais pressão ao mercado, após a Hennes & Mauritz reportar que seu lucro líquido caiu para 5,49 bilhões de coroas suecas (US$ 851 milhões) nos três meses até 30 de novembro, de 6,15 bilhões de coroas suecas no mesmo período do ano anterior. Os analistas tinham previsto um lucro de 5,90 bilhões de coroas suecas. Às 8h45 (de Brasília), as ações da H&M recuavam 6,2%, enquanto as da Marks & Spencer perdiam 0,68%.

Ainda assim, resultados corporativos e indicadores econômicos positivos ajudaram a sustentar os leves ganhos no mercado em geral. O conglomerado farmacêutico AstraZeneca anunciou uma queda de 5% no lucro líquido, abaixo da esperada, enquanto a da rede de TV por satélite Sky Broadcasting Group relatou um aumento do lucro do segundo trimestre. Às 8h45 (de Brasília), as ações da AstraZeneca subiam 1,90%, enquanto as da Sky avançavam 1,91%.

Além disso, as ações do setor de matérias-primas registraram alta, após a recuperação dos preços das commodities e notícias de a mineradora Kazakhmys planeja levantar de US$ 500 milhões a US$ 600 milhões através de uma listagem secundária na Bolsa de Hong Kong no primeiro semestre deste ano. Às 8h48 (de Brasília), os papéis da companhia subiam 1,30%.

Confiança

Entre os indicadores econômicos divulgados mais cedo, estavam o índice de confiança do consumidor da zona do euro, que caiu para -11,2 em janeiro, de -11,0 em dezembro, conforme o previsto pelos economistas consultados pela Dow Jones. Na França, a confiança do consumidor recuou para 85 em janeiro, de 86 em dezembro, segundo a agência nacional de estatísticas, a Insee.

Mais tarde, nos EUA, as atenções estarão voltadas para a divulgação do número de pedidos de auxílio-desemprego e do índice de atividade nacional medido pelo Federal Reserve de Chicago e o relatório sobre encomendas de bens duráveis, às 11h30 (de Brasília), e dos dados sobre vendas pendentes de imóveis residenciais, às 13h (de Brasília).

Ainda hoje, saem os balanços da Microsoft, Procter & Gamble, e Amazon, além dos resultados da Nokia.

No mercado de câmbio, o dólar opera em alta em relação ao iene, após o rebaixamento do rating do país pela Standard & Poor's, enquanto o euro sobe ante a moeda norte-americana. Às 8h50 (de Brasília), o dólar era cotado em 82,76 ienes, de 82,16 no fim da tarde de quarta-feira em Nova York. O euro estava em US$ 1,3724, de US$ 1,3711.

Entre as commodities, o contrato do petróleo para março caía 0,90%, a US$ 86,54 por barril na Nymex, no horário citado acima, enquanto o contrato do cobre para março subia 1,01%, a US$ 4,3100 por libra-peso na Comex. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.