Europa sobe com commodities e indicador da Alemanha

Índice Stoxx Europe 600 subiu 0,2% e encerrou a sessão aos 275,39 pontos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

24 de maio de 2011 | 14h47

As bolsas europeias fecharam com alta moderada, ajudadas por ganhos em ações de empresas ligadas a commodities e pelo indicador positivo sobre a confiança das empresas da Alemanha. O índice Stoxx Europe 600 subiu 0,2% e encerrou a sessão aos 275,39 pontos.

Entre as principais bolsas do continente, o índice FT-100 de Londres subiu 0,39%, para 5.858,41 pontos; o DAX de Frankfurt ganhou 0,41%, para 7.150,66 pontos; e o CAC-40 de Paris avançou 0,25%, para 3.916,88 pontos. Mas alguns analistas alertaram que as altas foram em boa parte um "rali de alívio" depois das perdas registradas ontem.

Ações do setor industrial e de tecnologia receberam impulso do índice de sentimento das empresas da Alemanha medido pelo instituto IFO, que ficou estável em 114,2 em maio. O resultado foi melhor do que a queda para 113,7 prevista pelos analistas ouvidos pela Dow Jones. Em Frankfurt, a montadora Volkswagen subiu 1,5% e a fabricante de chips Infineon Technologies ganhou 2%.

Morten Kongshaug, estrategista-chefe do Danske Bank, comentou que a força da economia da Alemanha, que é a maior da Europa, está ajudando a equilibrar a fraqueza vista na Espanha e em outros países da região. "O enfraquecimento do euro também é bom para o setor industrial - existe muito valor nas companhias industriais em um horizonte de 12 a 24 meses", disse.

Entre os destaques estiveram também ações do setor de mineração, estimuladas pelo aumento dos preços das commodities. Em Londres, Rio Tinto subiu 2% e Fresnillo avançou 4,1%. Glencore International fechou em alta de 2,1% em seu primeiro dia de operação incondicional na bolsa londrina e antes de sua esperada entrada no índice FT-100.

Algumas ações de empresas aéreas terminaram o dia em queda, o que agravou as perdas registradas ontem quando a fumaça expelida de um vulcão na Islândia forçou o cancelamento de centenas de voos. Deutsche Lufthansa recuou 1,5% em Frankfurt e Air France caiu 0,35% em Paris.

As ações de bancos operaram de forma mista, com os fornecedores de crédito do Reino Unido apresentando desempenho abaixo da média depois de a Moody's Investors Service colocar o rating (classificação de risco) de 14 empresas financeiras britânicas em revisão para possível rebaixamento. Lloyds Banking Group perdeu 2,2% em Londres.

Outros destaques foram o rali de 2,6% nas ações da produtora de fertilizantes K+S em Frankfurt, depois que o Citigroup elevou suas previsões para o lucro da empresa para refletir os maiores preços do potássio. Também houve avanço de 2% nas ações da gigante de bebidas Pernod Ricard, que teve a recomendação de suas ações elevada pelo JPMorgan Cazenove de "neutra" para "overweight".

Entre as outras grandes bolsas europeias, o índice Ibex-35 de Madri fechou em alta de 0,33%, aos 10.115,90 pontos; o PSI-20 de Lisboa caiu 0,07%, para 7.595,32 pontos; e o FTSE MIB de Milão ganhou 0,24%, para 20.582,15 pontos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.