Expectativa de balanço de empresas faz HK subir 0,5%

A expectativa de fortes lucros das maiores empresas listadas na Bolsa, entre elas China Mobile, levou o índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong a fechar em alta de 90,16 pontos (variação de 0,5%), aos 19.356,90 pontos. No início da sessão, o índice chegou a subir 197,16 pontos, mas os investidores contiveram o ímpeto comprador à espera da decisão do Fed - o Banco Central dos EUA, que iniciou reunião de seu comitê do mercado aberto hoje - sobre a taxa de juro, amanhã, e sua avaliação sobre o mercado subprime. China Mobile, a companhia que tem o segundo maior peso no índice depois do HSBC, subiu 0,9%. A empresa divulga seus resultados de 2006 amanhã, após o fechamento do mercado. A expectativa média dos analistas é de que a companhia apresente alta de 24% em seu lucro, por conta de um significativo aumento no número de assinantes, crescimento no rendimento por usuário e das margens. Outras blue chips, entre as quais Henderson Land e Li & Fung Wharf, também divulgam seus resultados amanhã. Na quinta, saem os balanços do conglomerado Hutchison Whampoa, Bank of China e Cosco Pacific. Entre os resultados desta sessão, HK & China Gas subiu 3,1%; PetroChina caiu 1,4% e TOM Group perdeu 1,1%. O otimismo em relação aos resultados das empresas continua a estimular a Bolsa de Xangai, na China, onde o índice Xangai Composto fechou acima da marca psicológica dos 3 mil pontos pelo segundo dia consecutivo. O índice subiu 0,6%, alcançando os 3.032,20 pontos. O Shenzhen Composto ganhou 1,3%, aos 794,91 pontos. Entre as ações mais negociadas, a incorporadora China Vanke registrou alta de 1,2%, depois de anunciar que obteve em 2006 um aumento de 60% no lucro líquido, graças ao crescimento da venda de casas. A mineradora Jiagxi Copper atingiu o limite diário de valorização, de 10%, após divulgar um plano para levantar recursos no mercado acionário e realizar novos investimentos. O Banco Popular da China (banco central chinês) elevou a paridade central entre o dólar e o yuan, sinalizando que não pretende deixar a moeda local continuar sua valorização frente ao dólar. A paridade central foi fixada em 7,7395 yuans por dólar, depois de ter baixado a 7,7351 yuans ontem. No mercado de balcão, o dólar subia para 7,7379 yuans às 5h14 (hora de Brasília), contra 7,7360 yuans no fechamento de ontem. No sistema automático de preços, a moeda norte-americana valia 7,7369 yuans, de 7,7353 yuans no encerramento de segunda-feira. A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou praticamente estável, em meio a realizações de lucros. O índice Taiwan Weighted recuou apenas 0,02%, aos 7.736,20 pontos. A queda das empresas de siderurgia ofuscou a alta das ações do setor de alimentos. Os papéis das siderúrgicas foram afetados pela preocupação dos investidores quanto à possibilidade de a China interromper sua política de refinanciamento de impostos para os exportadores de aço. China Steel declinou 1%; Quintain Steel caiu 2,6%. Já o setor alimentício, que tem grande exposição na China, continua estimulado pelas declarações do primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, que disse querer estimular as ligações entre seu país e a ilha. Uni-President Enterprises subiu 1,8% e Greatwall Enterprise avançou 2,7%. Na Coréia do Sul, a Bolsa de Seul também encerrou praticamente estável. O índice Kospi subiu 0,05%, para 1.444,17 pontos. Os ganhos com ações de bancos, demandadas por investidores estrangeiros, acabaram compensando as perdas com blue chips, como Samsung e Posco. A gigante do setor de eletrônica caiu 1,4%, devido ao receio de que a diminuição do preço dos chips de memória afete seus resultados do primeiro semestre. As ações da Posco tiveram perda de 2%, por conta de notícias a respeito da planta que a siderúrgica planeja construir na Índia, e que seria transferida para o Vietnã. A Posco desmentiu a informação. Entre os bancos, Kookmin Bank subiu 1,5% e Shinhan Financial Group, 1,3%. Estimulada pelo desempenho positivo das bolsas estrangeiras, a Bolsa de Sydney, na Austrália, chegou a atingir sua maior alta em três semanas, mas perdeu grande parte dos ganhos no final do pregão. O índice S&P/ASX 200 fechou com alta de 0,3%, aos 5.876,60 pontos. Ações do setor de recursos minerais e dos bancos diminuíram o ímpeto e seguraram a alta do índice, em meio à volatilidade do mercado. Os operadores estão atentos ao índice de aprovação de construção de casas nos EUA, que será divulgado hoje, e à reunião do Fed (Federal Reserve, banco central norte-americano), que termina amanhã. BHP Billiton fechou em alta de 1,2% e Rio Tinto, em alta de 1,4%. A Bolsa de Manila, nas Filipinas, reverteu a tendência de alta apresentada na abertura dos negócios e encerrou em baixa, com o índice PSE Composto marcando recuo de 0,1%, aos 3.039,31 pontos. Philippine Long Distance Telephone (PLDT) avançou 0,4%. Na Bolsa de Bangcoc, Tailândia, a ausência de notícias animadoras movimentou pouco o mercado acionário, com os investidores segurando papéis selecionados na espera de ganhos robustos e dividendos atrativos. Muitos investidores estão ainda esperando a decisão do Banco Central sobre a taxa de juros. O índice SET fechou em alta de 0,4%, aos 671,76 pontos. Entre os papéis mais ativos, PTT subiu 1%, Rayong Refinery ganhou 1,7%, United Communication Industry saltou 18,1%, após o anúncio de que sua unidade listada em Cingapura Total Access Communication fará uma oferta pública inicial na bolsa local, o que levará a United a sair da Bolsa. O índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta (Indonésia) fechou em baixa de 0,1%, aos 1.775,42 pontos, com a queda de 2,2% na cotação da distribuidora de veículos Astra, que apurou vendas fracas em fevereiro; e de 1,5% da mineradora de níquel Inco, corrigindo alta de 13% nas últimas cinco sessões. O sentimento dos investidores é de cautela, à espera da decisão do Fed sobre a taxa de juro dos EUA amanhã, disseram analistas. O índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, fechou em alta de 1,10%, aos 1.205,28 pontos. O índice Strait Times da Bolsa de Cingapura terminou o pregão em alta de 0,11%, aos 3.116,80 pontos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.