Expectativa de IPO do ICBC faz cair Bolsa de Hong Kong

Investidores começaram a levantar capital para a oferta pública inicial do Industrial & Commercial Bank of China, que deve ser a maior IPO do mundo, o que fez baixar o preço das ações em Hong Kong hoje. O índice Hang Seng caiu 228,15 pontos, ou 1,3%. A exigência da Coréia do Norte de conduzir testes nucleares também exerceu um peso sobre o mercado. Operadores disseram que a correção provavelmente se estenderá pelos próximos dias, depois que o índice tocou a maior pontuação em seis anos e meio, a 17.940 pontos. Bank of China caiu 0,6%, e China Constrution Bank, -1,2%; China Merchants Bank perdeu 2,9%, quedas motivadas pela expectativa da IPO do ICBC, que pretende amealhar US$ 21,94 bilhões no mercado. Ações de instituições bancárias lideraram a alta registrada hoje em Xangai, o primeiro pregão após o feriado de uma semana. Há também grande expectativa sobre o lançamento das ações do ICBC, que ocorrerá no dia 27 em Hong Kong e em Xangai. O índice Xangai Composto subiu 1,9%, aos 1.785,39 pontos, a maior alta desde que chegou a 1.793,88 em 25 de setembro de 2001. O Shenzhen Composto também teve aumento de 1,9%. A expectativa com a IPO do ICBC atingiu positivamente as ações de outros bancos: China Merchants Bank subiu 4,5% e China Minsheng Bank teve aumento de 10%. Pudong Development Bank também avançou 10%. O yuan subiu e no fim do dia o dólar caía para 7,8990 yuans no sistema automático de preços, de 7,9079 yuans de 29 de setembro. O yuan fechou acima do nível psicológico em razão da demanda pela moeda local após o longo feriado. Mas os traders acreditam que a alta do yuan chegará ao fim amanhã, já que a moeda americana registrou alta em relação às principais moedas recentemente. A última vez que o dólar caiu abaixo dos 7,900 yuans foi em 28 de setembro, quando registrou 7,8965 yuans. O mercado sul-coreano encerrou o dia perto da maior queda em sete semanas, em razão do teste nuclear na Coréia do Norte. O índice Kospi caiu 2,41%, para 1.319,40 pontos, a maior baixa desde 13 de junho, quando o mercado caiu 2,9%. Os participantes do mercado acreditam que o índice permanecerá volátil por causa das incertezas sobre como os países vizinhos e os EUA irão reagir aos acontecimentos de hoje. Alguns analistas acreditam que o índice pode cair abaixo do nível psicológico de 1.300 pontos. Os papéis mais atingidos foram Hyunday Merchant Marine Co., que organiza viagens para a Coréia do Norte, com baixa de 15%, o limite diário. A Bolsa filipina registrou queda de 0,3% no primeiro pregão da semana. ?O mercado passa por uma fase em que há falta de novas notícias positivas. Além disso, pouco antes da época em que os resultados são apresentados, o mercado tende a passar por consolidação?, disse Astro del Castillo, da First Grade Holdings. As ações da Philippine Long Distance Telephone (PLDT) foram as mais negociadas do pregão, fechando com alta de 0,9%, depois de terem caído 2% na sexta-feira. Ayala Land caiu 3,5%, mas havia subido 3,6% no pregão anterior. O teste nuclear realizado pela Coréia do Norte teve impacto negativo sobre o mercado acionário australiano. Os traders reagiram às quedas registradas nos demais mercados asiáticos. A grande queda dos papéis da Telstra também colaborou com a baixa do mercado. O índice S&P/ASX 200 fechou em baixa de 0,4%. Dealers disseram que o mercado deve permanecer nervoso, aguardando as reações do teste nuclear norte-coreano. As ações da Telstra caíram 2,4% em razão do programa do governo de vender 8 bilhões de dólares australianos em ações da empresa. Na Malásia, o índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur teve queda de 0,16%. O índice Strait Times da Bolsa de Cingapura caiu 1,05%. Em baixa também fechou a Bolsa de Jacarta, na Indonésia, com o índice JSX Composto fechando negativo em 0,40%. Não houve negociações nas Bolsas de Taiwan e do Japão porque é feriado nos dois países. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.