Jonathan Ernst/ Reuters
Jonathan Ernst/ Reuters
Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mercado teme que economia mundial entre em recessão nos próximos 12 meses

O trabalho nos Estados Unidos segue robusto; uma criação menor de emprego vai gerar tensão

Fábio Alves, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2022 | 04h00

Depois que os índices de inflação ao redor do mundo dominaram o humor dos investidores no primeiro semestre deste ano, levando, por exemplo, as Bolsas de Valores nos EUA a registrar o pior desempenho para a primeira metade do ano desde 1970, os indicadores de atividade econômica devem passar a ser agora o principal motor dos preços dos ativos neste segundo semestre.

O temor é de que, diante da disparada da inflação que levou a um aperto monetário mais agressivo pelos principais bancos centrais, a economia mundial entre em recessão nos próximos 12 meses. Esse medo é cada vez maior nos EUA, onde o Federal Reserve (Fed) projeta que a taxa básica de juros, que começou o ano ao redor de zero, deve encerrar a 3,4% no fim de 2022.

O presidente do Fed, Jerome Powell, já admitiu que a recessão nos EUA é uma possibilidade, mas diz que o maior risco é de a inflação americana ficar persistentemente elevada. Ou seja, enquanto a inflação estiver distante da meta do Fed, de 2%, a prioridade será combater a escalada nos preços, mesmo que, para tanto, o BC americano cause uma contração na economia do país.

Na semana que vem, será divulgado o índice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) dos EUA para junho. Os investidores esperam que esse índice mostre que a inflação americana já atingiu o pico. Mas essa era a expectativa para maio, quando o CPI surpreendeu a todos e registrou uma alta anual de 8,6%, a maior desde dezembro de 1981.

Já a medida de inflação preferida do Fed, o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês), divulgado na semana passada, registrou alta anual de 6,3% em maio, mesmo patamar de abril.

Ou seja, se a inflação der sinais de que o pico ficou para trás, mesmo que a sua desaceleração seja mais lenta do que o Fed gostaria, o mercado passará a se concentrar nos indicadores de atividade. Aliás, muitos ativos, como as Bolsas de Valores, já estão refletindo o nervosismo crescente com o risco de recessão.

O preço do cobre, que é visto como um termômetro do crescimento da economia mundial, por ser usado desde a construção civil até a fabricação de bens, como automóveis, caiu para US$ 8.048 por tonelada na sexta-feira passada, o menor nível em 17 meses e quase 25% abaixo da cotação mais alta deste ano.

Um dos focos dos investidores será nos dados do mercado de trabalho americano, que ainda segue robusto. Uma criação menor de empregos vai gerar tensão. E, se os gastos dos consumidores começarem a ceder diante da inflação e juros mais altos, o humor vai azedar de vez. 

* COLUNISTA DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.