Fala de Bernanke acalma bolsas asiáticas

O discurso do presidente do Fed foi tranquilizador mas teve efeito limitado para a China e a Coreia do Sul

18 de julho de 2013 | 07h32

Os mercados de ações da Ásia fecharam em direções divergentes nesta quinta-feira, após os comentários do presidente do Federal Reserve dos EUA, Ben Bernanke, de que o banco central norte-americano manterá a política monetária acomodatícia no curto prazo. 

Os comentários de Bernanke foram profundamente analisados nos últimos meses, com os investidores procurando sinais sobre os rumos da política monetária dos EUA. No mês passado, temores de que a posição do Fed poderia mudar levaram a uma forte onda de vendas, que atingiu, com força, o sudeste da Ásia.

O efeito dos comentários mais recentes de Bernanke tiveram foi tranquilizador em alguns mercados na Ásia, após Wall Street fechar em alta. Mas já como o banco central não apresentou nenhuma surpresa, o efeito foi limitado em alguns mercados - como China e Coreia do Sul.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 subiu 0,2%, para 4.993,40 pontos. Nas Filipinas,  o índice PSEi fechou em alta de 1,1% aos 6648,35 pontos. Já na Coreia do Sul, o índice Kospi Composto caiu 0,6%, para 1.875,48 pontos.

As ações na China recuaram, com o índice Xangai Composto perdendo 1,1%, para 2.023,40 pontos, o que teve um efeito sobre Hong Kong, onde o índice Hang Seng caiu 0,1%, para 21.345,22 pontos. O índice Shenzhen Composto cedeu 0,4%, aos 952,61 pontos. 

Ações do setor financeiro e imobiliário puxaram os mercados na China para baixo com preocupações dos investidores sobre a economia e os próximos resultados das empresas.

Em Taipé, as ações também foram influenciadas por balanços de empresas. O índice Taiwan Weighted caiu 0,8%, para 8.196,98 pontos, uma vez que as perspectivas para a indústria global de tecnologia ficaram ainda mais pessimista depois de a Intel divulgar uma projeção decepcionante para terceiro trimestre, disse Alex Huang, analista da Mega Securities.  Fonte: Dow Jones Newswires. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.