Fala de Mantega não altera mercado de juros futuros

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou em entrevista coletiva esta tarde que os juros continuarão caindo. Sua fala foi contra a interpretação do mercado a respeito da ata do Comitê de Política Monetária (Copom), tida como conservadora. A fala de Mantega, contudo, não provocou mudança no mercado de juros futuros. O juro para janeiro de 2008 (o mais negociado), manteve a trajetória de queda que vinha seguindo desde o início do discurso do presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Ben Bernanke, que acalmou os mercados. O contrato para janeiro de 2008 abriu hoje em 14,63%, ante fechamento de ontem em 14,62%, e passou a subir com a divulgação da ata do Copom, até atingir a máxima até agora durante o dia de 14,84%. A trajetória de alta foi depois interrompida com o início do depoimento de Bernanke para o Comitê Econômico Conjunto do Congresso, esta manhã. Quando Mantega iniciou entrevista coletiva, após participar de reunião com diretores da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista, o contrato estava estável na faxia de 14,73% a 14,75%. Às 13h33, após a declaração do ministro que "com certeza, continuará havendo redução da taxa de juros", o contrato estava em 14,74%.

Agencia Estado,

27 Abril 2006 | 13h53

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.