Fator Grécia volta a derrubar bolsas da Europa

Na última sexta-feira, ministros de Finanças da zona do euro adiaram decisão sobre a liberação de nova  parcela à Grécia

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

19 de setembro de 2011 | 14h19

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam em queda hoje com bancos como o Société Générale recuando em meio aos temores de que a Grécia possa entrar em default (calote), antes de conversas para discutir a crise e determinar se a nação em dificuldades receberá a próxima parcela de ajuda.

O índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 2,26%, ou 5,20 pontos, fechando em 224,96 pontos. Em Paris, o CAC 40 fechou em baixa de 3,00%, em 2.940,00 pontos. O DAX 30, da Bolsa de Frankfurt, recuou 2,83%, para 5.415,91 pontos. "Parece haver um rumor de que a Grécia poderia entrar em default amanhã", disse Manoj Ladwa, trader sênior da ETX Capital. "Eu trato esses rumores com cautela, mas isso parece estar puxando os mercados para baixo."

Na última sexta-feira, os ministros de Finanças da zona do euro adiaram para outubro a decisão sobre a liberação da próxima parcela de ajuda à Grécia. Em Atenas, o índice ASE Composite caiu 1,7%, para 850,22 pontos. A Organização de Telecomunicações Helênica recuou 5,2%. Ladwa disse que os yields dos bônus de Itália e Espanha estavam em alta.

No domingo, o partido da chanceler alemã, Angela Merkel, sofreu outra derrota em eleições regionais, desta vez em Berlim. O analista de mercado Cameron Peacock, do IG Markets, escreveu em nota que a derrota da coalizão governista é mais um sinal da insatisfação dos eleitores. Peacock lembrou que, "sem o apoio da Alemanha, é difícil se ver uma maneira de tirar Atenas dessa situação difícil".

As ações dos bancos caíram pela Europa, com o Société Générale recuando 6,7% e o BNP Paribas, outros 5,5%. Também em Paris, as ações da fabricante de pneus Michelan caíram 6%, após o Morgan Stanley cortar suas ações de overweight para underweight. Na Alemanha, Commerzbank AG caiu 4,1% e Deutsche Bank fechou em -4.5%. A Volkswagen caiu 5,4%, liderando vendas no setor de automotores, com a BMW caindo 1,7%. Em Paris, as ações da Peugeot caíram 4,6%.

No mercado de Londres os bancos também pesaram, com Lloyds Banking recuando quase 7%. O Royal Bank of Scotland caiu 5,7% e o Barclays outros 6,6%. As ações do HSBC cederam 2,6%. O índice FTSE 100 caiu 2,03%, chegando a 5.259,56 pontos. As ações de mineradores caíram no mercado futuro, com os preços do cobre particularmente atingidos. As ações da mineradora de cobre do Chile Antofagasta caíram 8,2%, as da Xstrata recuaram -6,8%, enquanto a Anglo American recuou 4,6%.

Na Itália, as ações da Finmeccanica cederam 8,6%. A companhia informou que tinha planos para cortar cerca de 1.200 empregos na sua subsidiária do setor aeronáutico Alenia, segundo a Dow Jones. As ações da empresa vinham caindo nos últimos dias.

As ações do produtor de aço sediado na Espanha Acerinox perderam quase 7%, após o Credit Suisse cortar o rating da empresa de outperform para neutro. Em Zurique, os papeis do Credit Suisse recuaram 6,2%. O banco afirmou que chegou a um acordo de 150 milhões de euros com o escritório da promotoria de Dusseldorf, a fim de encerrar um processo sobre coleta de impostos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropabolsasGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.