Fed deve anunciar compras de bônus de bilhões de dólares, diz jornal

Segundo o Wall Street Journal, a medida é menor do que as compras de quase US$ 2 trilhões anunciadas durante a crise financeira

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de outubro de 2010 | 09h39

O Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) provavelmente vai anunciar um programa de compras de Treasuries durante vários meses no valor de algumas centenas de bilhões de dólares, afirmou o Wall Street Journal, acrescentando que a medida é menor do que as compras de quase US$ 2 trilhões anunciadas durante a crise financeira. Espera-se que o anúncio seja feito ao fim da reunião de dois dias do comitê de política monetária do banco central dos EUA, em 3 de novembro.

Uma pesquisa feita pelo Wall Street Journal com economistas do setor privado no começo deste mês apontou que o Fed deverá comprar cerca de US$ 250 bilhões de bônus do Tesouro dos EUA por trimestre e prosseguir até meados de 2011. O programa provavelmente vai se concentrar em papéis com vencimento entre 2 e 10 anos. O Fed pode até comprar papéis com prazo mais longo, mas algumas autoridades estão resistentes a isso por causa da exposição a perdas de longo prazo sem muitos benefícios.

A intenção do Fed é elevar os preços dos bônus de longo prazo, o que, em troca, reduzirá as taxas de juros de longo prazo. Com isso o banco central espera estimular mais investimentos e gastos e acelerar a recuperação econômica dos EUA. No entanto, as autoridades querem evitar o estilo "choque e medo" usado durante a crise em favor de uma abordagem que permita que eles ajustem a política conforme a recuperação se desenrolar.

Embora os detalhes do plano ainda não tenham sido definidos, as linhas gerais vêm tomando forma. O Fed poderá deixar aberta a possibilidade de mais compras de bônus no futuro, particularmente se as projeções para a inflação forem de que ela permanecerá abaixo de 2% e as perspectivas para o desemprego sejam de continuação das altas taxas, que atualmente são as expectativas de muitas autoridades do Fed. Por outro lado, o BC dos EUA poderá suspender o programa se a economia ou a inflação voltarem a se fortalecer.

Os investidores estão divididos sobre como o Fed vai proceder. As bolsas vêm subindo desde que o presidente do banco central, Ben Bernanke, começou a dar sinais sobre a compra de bônus, em agosto. Mas os preços das commodities também estão aumentando, o que pode provocar mais inflação do que o pretendido pelo Fed. Ao mesmo tempo, o dólar caiu quase 10% diante do euro, o que ajuda os exportadores dos EUA, mas cria tensões com seus parceiros comerciais.

Com relação aos Treasuries, o yield da T-note de 10 anos caiu de quase 4% em abril para cerca de 2,6%. Em consequência, as taxas hipotecárias, ligadas ao yield dos papéis de 10 anos, recuaram para os menores níveis em mais de quatro décadas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.