Feriado nos EUA reduz negócios e petróleo sobe

Os contratos futuros de petróleo operam em leve alta, nesta sexta-feira, 29, em meio a baixo volume de operações, após o feriado do Dia de Ações de Graças nos Estados Unidos. "Parte dessa fraqueza vem da Europa, onde o petróleo brent está sendo apoiado pela Líbia e pela falta de convicção de que os barris iranianos aparecerão em um futuro próximo", observaram analistas da corretora PVM. Trabalhadores do setor de petróleo da Líbia estão em negociações com as forças armadas em Ras Lanuf, o segundo maior porto de óleo no país. Contudo, nesta sexta-feira, há poucas notícias sobre os temas. Para a PVM, "o grande culpado" por limitar as altas é a grande oferta da commodity no mercado interno dos EUA.

Agencia Estado

29 de novembro de 2013 | 09h40

Segundo analistas, a diferença entre os preços do petróleo brent, operado em Londres, e do contrato negociado nos EUA ainda está ampla, principalmente devido a alta do brent. Contudo, o avanço do petróleo negociado na Europa pode não durar. Para Andrey Kryuchenkov, do VTB Capital, este mercado está "sobrecomprado" e pode sofrer uma correção. "Fundamentalmente, não podemos justificar um rali sustentado para além de US$ 110 e US$ 112 por barril em Londres", afirmou Kryuchenkov em um comunicado a clientes.

O petróleo bruto dos EUA pode reduzir um pouco a distância ante o brent, com a retomada das negociações após o feriado de quinta-feira, 28. Mas os EUA também podem ter pouco volume de operações porque esta sexta-feira marca o Black Friday, um dia de compras antes do Natal, que muitas vezes é um dos mais movimentados para o varejo.

Às 9h28 (pelo horário de Brasília), o brent para janeiro subia 0,02%, a US$ 110,88 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres. O petróleo para janeiro negociado na Nymex subia 0,26%, a US$ 92,54 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoEUAferiado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.