Fim do fator pode abalar lua-de-mel com mercado

A lua-de-mel do Brasil com o mercado financeiro pode sofrer um abalo caso seja sancionado o projeto que extingue o chamado fator previdenciário, que é usado como base de cálculo das aposentadorias por tempo de serviço. A medida, cujo projeto de lei já passou pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado, provocaria uma onda de pedidos de segurados pelo benefício, o que, na avaliação de alguns especialistas, comprometeria o ajuste fiscal e levaria a reações negativas como a elevação do risco país. "Da mesma forma que a taxa despencou quando o fator previdenciário foi criado, em 1999, ela sofreria forte alta com o fim desse mecanismo", afirma o especialista em contas públicas Raul Velloso. Como a fórmula atual de cálculo da aposentadoria incentiva os segurados a retardar o pedido do benefício, a Previdência teria uma antecipação de despesas com o fim do fator previdenciário. Hoje, o valor do benefício leva em conta a idade e o tempo de contribuição - quanto maior for a idade e o tempo de contribuição, mais alto será o valor da aposentadoria. "Haveria um colapso da Previdência porque acabaria com a única medida atuarial que compatibiliza a contribuição com a aposentadoria", diz o consultor Renato Follador, lembrando que a previsão para este ano é que o déficit da Previdência atinja R$ 50 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.