Fundo votará contra mudança na Telemar

O Genesis Fund Managers, que tem US$ 16 bilhões aplicados em ações de países emergentes, informou à Securities and Exchange Commission (SEC), a autoridade americana do mercado acionário, que pretende votar contra a reestruturação societária da Telemar.Sediado em Londres, o fundo tem 6,25% dos papéis preferenciais da Telemar, por meio de American Depositary Receipts (ADRs), negociados na Bolsa de Nova York. O fundo classificou a estrutura de votação como 'injusta' e acrescentou que os termos da proposta favorecerão os acionistas detentores das ações ordinárias.A Telemar anunciou ontem que marcou para o dia 13 de novembro a assembléia geral extraordinária para tratar do futuro da empresa. Durante a assembléia, os donos de ações preferenciais vão decidir se aprovam ou não o plano de reestruturação societária. Especialistas prevêem uma acirrada disputa entre grandes grupos de acionistas.O plano prevê a pulverização do controle da empresa entre investidores, mas provoca polêmica em função dos termos propostos para a troca de ações. Os atuais controladores querem trocar todas as ações ordinárias e preferenciais por uma única classe de papéis, com direito a voto nas decisões estratégicas da companhia.O fundo Genesis reclama que a troca beneficia os donos de ações ordinárias, atuais controladores da empresa. Segundo o fundo, a troca dará aos ordinaristas um aumento na participação econômica da companhia à custa dos preferencialistas. "Particularmente, os detentores de preferenciais veriam sua parcela na companhia cair em mais de um terço, de 55% para 36%", protesta o Genesis. O fundo vai procurar outros acionistas para discutir como mudar a votação.O Genesis baseou seu protesto em manifestação de outro fundo, o Brandes, sediado na Califórnia e que detém 8,75% das ações preferenciais da Telemar por meio de ADRs. Juntos, ambos possuem cerca de 15% das preferenciais da operadora.A queixa do fundo Brandes à SEC acrescenta que "os detentores de papéis preferenciais que também possuírem ordinárias irão votar, apesar dos interesses opostos dos dois papéis", o que deixaria a votação para a reestruturação com desvantagem aos preferencialistas. Com base nesta argumentação, o fundo Brandes também declarou que "pretende votar contra a reestruturação proposta pela Telemar".O presidente da Telemar, Luiz Eduardo Falco, encontra-se esta semana na Europa, apresentando a operação a investidores. Na semana passada, o executivo já havia visitado acionistas nos Estados Unidos. Depois de fecharem com forte alta na terça-feira, os papéis da Telemar caíram ontem. As ações preferenciais caíram 0,21% e as ordinárias, 2,23%.

Agencia Estado,

28 de setembro de 2006 | 09h10

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.