Fundos de bônus emergentes devem ter 1ª saída em 29 semanas

Projeção é da consultoria EPFR Global quedivulgará resultados nesta quarta-feira

Álvaro Campos, da Agência Estado,

25 de maio de 2010 | 18h36

Os fundos de bônus de mercados emergentes estão a caminho de registrar a primeira semana com saída líquida de capital em 29 semanas, de acordo com dados preliminares da consultoria EPFR Global.

Receios econômicos mais amplos estão levando os investidores a reduzir riscos de suas carteiras. Como resultado, o suporte para bônus de mercados emergentes está finalmente diminuindo, depois de semanas de resistência. As dívidas dos países em desenvolvimento se mantiveram fortes na semana anterior, segundo a EPFR, apesar das saídas na maioria das outras classes de ativos de maior risco.

O dado consolidado sobre saída para a semana que terminará no dia 26 de maio será divulgado nesta quarta-feira para os clientes da EPFR. Resultados mais amplos serão divulgadas posteriormente.

Até agora, os fundos de dívidas de mercados emergentes já registraram saídas de cerca de US$ 44 milhões, de acordo com a EPFR. Essa ainda é uma quantia relativamente pequena em comparação com o total de US$ 81 bilhões em ativos de dívidas de mercados emergentes monitorados semanalmente pela consultoria.

Ainda assim, o número reflete um crescente senso de incerteza nos mercados financeiros, mesmo nesse grupo de economias que deve superar o desempenho dos países desenvolvidos. Os investidores estão com receio de que a crise fiscal na Europa e o efeito nos preços das commodities poderiam destruir a perspectiva de crescimento para as economias emergentes.

Na semana que terminou no dia 19 de maio, os fundos de bônus dos mercados emergentes atraíram US$ 533 milhões, ao mesmo tempo em que resgates de fundos de bônus high-yields excederam US$ 1 bilhão, a saída de fundos de bônus intermediários atingiu o total mais alto em 19 meses. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
emergentesbônusEPFRcrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.