Fundos dedicados a ativos emergentes atraem capital

Os fundos dedicados a bônus de países emergentes tiveram uma entrada líquida de US$ 586 milhões na semana até 15 de agosto, o equivalente a 0,37% dos recursos administrados por eles, enquanto os fundos dedicados a ações de países emergentes reportaram um fluxo positivo de US$ 873,8 milhões (0,13% dos recursos administrados), afirmou o Barclays, com base nos dados da EPFR Global.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

17 de agosto de 2012 | 11h29

Os analistas do Barclays afirmaram que os fluxos para os fundos dedicados aos bônus e ações de países emergentes continuaram em um ritmo quase idêntico ao da semana anterior, devido à ausência de notícias para desencadear qualquer mudança.

De acordo com um relatório do Morgan Stanley, entre os fundos dedicados a ações de países emergentes, os fundos dedicados a ações da Coreia do Sul reportaram a maior entrada líquida, de US$ 330 milhões, seguidos pelo Brasil e China, com fluxos positivos iguais, de US$ 120 milhões. Os fundos de dedicados a ações de Taiwan tiveram a maior saída líquida de capital no período, no total de US$ 100 milhões.

No ano até 15 de agosto, os maiores fluxos positivos de capital foram registrados pelos fundos dedicados a ações da China (US$ 2,02 bilhões), Coreia do Sul (US$ 1,93 bilhão), Brasil (US$ 1,69 bilhão) e Rússia (US$ 1,44 bilhão).

Os fundos dedicados a ações de mercados desenvolvidos reportaram saídas de capital de US$ 6,6 bilhões na semana até 15 de agosto, com os EUA registrando o maior fluxo negativo, de US$ 6,2 bilhões, enquanto o Japão teve fluxo positivo de US$ 470 milhões, afirmou o Morgan Stanley. No ano até 15 de agosto, os fundos dedicados a ações de mercados desenvolvidos tiveram fluxos negativos de US$ 55 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Fundosemergentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.