Fusão de empresas russas cria 1ª produtora do mundo em alumínio

As siderúrgicas russas Rusal e Sual Group anunciaram a assinatura de um acordo de fusão que inclui as operações de alumínio da suíça Glencore, criando a maior produtora desse item no mundo. A nova companhia - que se chamará United Company Rusal - concentrará 12% da produção global de alumínio e pretende produzir mais de 5 milhões de toneladas por ano até 2009-2010. Representantes da empresa estimam que o valor do grupo combinado deve oscilar entre US$ 25 bilhões e US$ 30 bilhões, com receita próxima de US$ 10 bilhões ao ano. Os ativos da nova companhia vão incluir fundições e refinarias em toda a Rússia, bem como instalações na China, Guiana, Austrália, Irlanda, Jamaica, Itália e Suécia. A empresa também tem planos de organizar uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de ações, possivelmente em Londres, dentro de 18 meses. "Criamos um grupo realmente grande, uma instituição que tem potencial para ser o carro-chefe do setor de mineração na Rússia", afirmou em entrevista coletiva à imprensa o executivo-chefe (CEO) da Sual, Brian Gilbertson, ao anunciar o acordo. Gilbertson será o presidente da nova companhia. A United Company Rusal será controlada pelo magnata Oleg Deripaska, dono da Rusal - a maior das três empresas envolvidas no acordo, com receita de US$ 6,6 bilhões em 2005. A Rusal terá participação de 66% no grupo combinado, enquanto Viktor Vekselberg, da Sual, ficará com 22% e a Glencore terá 12%. O CEO da Rusal, Alexander Bulygin, que assumirá o posto de CEO do grupo, afirmou que as sinergias criadas pela fusão vão resultar em grandes economias. "O efeito das sinergias será de US$ 3 bilhões nos próximos cinco anos", acrescentou Bulygin durante a entrevista. As três empresas esperam ter completado o acordo em 1º de abril de 2007. O HSBC foi o consultor da Rusal nas negociações com a Glencore. O JP Morgan Cazenove e o UBS têm atuado como consultores da Sual sobre a possibilidade de IPO em Londres - o que era considerado se a fusão não seguisse adiante. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.