Futuro da internet é móvel, diz vice-presidente do Google

Na internet, o spam (mensagem não solicitada) é o grande problema; o telefone celular e a computação móvel são o futuro, diz o engenheiro Vinton Cerf, um dos criadores da internet, vice-presidente e "evangelista" do Google - executivo que viaja pelo mundo divulgando os produtos e serviços da empresa. Cerf, que veio ao Brasil para visitar o Centro de Desenvolvimento do Google em Belo Horizonte, não quis falar sobre eventuais investimentos no País, mas confirmou que a empresa pode comprar companhias "que tenham serviços e tecnologias relevantes"."No Brasil e no México, só para citar dois lugares onde estive nos últimos dias, a penetração dos telefones móveis é em média de 43% da população. No mundo, há quase 2 bilhões de celulares. Muitas pessoas podem ter seu primeiro contato com a internet por meio de um telefone", disse Cerf.Segundo o engenheiro, o Google vai aperfeiçoar seus serviços para uso na telinha do telefone - dois exemplos são as versões móveis do serviço de correio eletrônico Gmail e do site de mapas Google Maps.Além disso, disse Cerf, "cada vez mais os celulares sabem onde estão, porque têm sistema de posicionamento global (GPS)". Com isso, o telefone pode mostrar onde estão bancos, postos de gasolina e estabelecimentos comerciais mais próximos do usuário. "Uma das nossas maiores novidades é o Google Earth, que mostra imagens de satélite do mundo todo."A capacidade de localizar o usuário, disse Cerf, também traz benefícios sociais: "Imagine abrir o seu laptop e ver amigos que estejam fisicamente perto de você . Você poderia enviar uma mensagem instantânea dizendo: que tal nos encontrarmos no bar?"De outro lado, a localização do usuário e a concentração de informações nas mãos do Google traz, também, riscos de invasão da privacidade das pessoas. Cerf admitiu isso, mas lembrou que, em janeiro, o Google resistiu a um pedido do governo americano - que queria obter os registros de todas as buscas feitas na internet ao longo de uma semana: "Nós achamos que o pedido não tinha base nenhuma, e recusamos". Os concorrentes MSN, Yahoo! e AOL entregaram informações de seus usuários ao governo Bush.A avalanche de e-mails indesejados foi um problema abordado por Cerf. "Eu devo dizer que ando cada vez mais encorajado pela qualidade dos filtros antispam. O meu endereço eletrônico recebe muito spam, mas quase 100% do lixo é filtrado pelo Google. Só que eu não sei se alguma mensagem importante foi excluída junto com o lixo", ponderou.Uma solução, comentou, seria cobrar pelo envio dos e-mails, o que desestimularia o envio em massa de mensagens não solicitadas. "Em 1983, na MCI, nós cobrávamos US$ 1 por mensagem enviada. Mas, hoje em dia, acho que os filtros são a única solução, pois ninguém está acostumado a pagar por e-mail."

Agencia Estado,

06 de junho de 2006 | 09h26

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.