Futuros de petróleo operam em direções divergentes

Os futuros de petróleo operam em direções divergentes, com o Brent ainda pressionado em meio a sinais de amenização das crises no Leste Europeu e no Oriente Médio.

Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2014 | 08h05

Segundo analistas do Commerzbank, a situação parece ter se acalmado um pouco na Ucrânia, apesar do frágil acordo de cessar-fogo em vigor desde o final da semana passada. Já no Iraque, a confirmação do novo governo do primeiro-ministro Haider al-Abadi deve ajudar a conter as tensões no país, avaliam.

Na Líbia, enquanto isso, "a produção está se recuperando rapidamente, apesar dos conflitos atuais", afirma o Commerzbank. A produção líbia recentemente atingiu 740 mil barris por dia, o maior nível desde julho de 2013, de acordo com a estatal nacional de petróleo.

Em nota a clientes, David Hufton, analistas da corretora PVM, citou também os últimos "números muito decepcionantes de importação de commodities da China", que ajudam a pesar no Brent.

Às 7h51 (de Brasília), o Brent para outubro recuava 0,11%, a US$ 100,09 por barril, na plataforma eletrônica ICE, em Londres. Na Nymex, por outro lado, o petróleo para o mesmo mês subia 0,87%, a US$ 93,47 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoBrent

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.