G-20 diz que está próximo de meta de alta no PIB

Ministros da Fazenda das 20 maiores economias do mundo disseram neste domingo que estão próximos de alcançarem sua meta de aumentar o PIB mundial em mais de US$ 2 trilhões nos próximos cinco anos e que vão se concentrar em investimentos em infraestrutura para ajudar a alcançar a meta.

Estadão Conteúdo

21 de setembro de 2014 | 08h25

O secretário do Tesouro da Austrália, Joe Hockey, que sediou o encontro na cidade de Cairns, disse que os ministros e presidentes dos Bancos Centrais dos países concordaram com um pacote de mais de 900 iniciativas para alcançar a meta que eles definiram em fevereiro numa reunião em Sydney. O G-20, que representa cerca de 85% da economia global, disse em uma análise que suas iniciativas mostra que as propostas devem elevar o PIB combinado dos países membros em 1,8% acima dos níveis esperados nos próximos cinco anos, número um pouco inferior a meta de 2%.

Em julho, o Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou sua projeção econômica, estimando que a economia mundial cresceria 3,4% este ano, em vez de 3,7% como previsto anteriormente, devido a um crescimento mais fraco nos Estados Unidos, Rússia e países em desenvolvimento.

Na última semana, a organização aumentou a pressão sobre o G-20 para tomar uma ação quanto a seu compromisso de crescimento, pedindo reformas estruturais decisivas. No domingo, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, disse que o G-20 precisaria se concentrar em medidas para o mercado de trabalho e infraestrutura para conseguir alcançar sua meta de crescimento de 2% até 2018. "Eles estão quase prontos, mas precisam fazer um pouco mais", declarou Lagarde a jornalistas depois da reunião.

Hockey afirmou que o grupo havia concordado em direcionar seu foco de um crescimento liderado pelo governo para um crescimento comandado pelo setor privado, particularmente no caso de investimentos adicionais em infraestrutura. Em um comunicado divulgado após o encontro, o G-20 desenhou uma Iniciativa Global de Infraestrutura, que poderia incluir o desenvolvimento de uma base de dados para encontrar potenciais investidores para projetos.

O grupo também alertou que, embora as condições econômicas tenham melhorado em algumas economias importantes, o crescimento global segue desigual e abaixo do ritmo suficiente para gerar empregos necessários. Hockey declarou que o grupo iria entregar feitos concretos a tempo da principal reunião do G-20 em novembro na cidade australiana de Brisbane.

Outra área em que houve um compromisso dos países foi a segurança do sistema financeiro. O Comitê de Estabilidade Financeira se comprometeu a entregar uma proposta no encontro de Brisbane definindo termos e condições sobre capacidade de absorção de perdas adicionais que protegeriam a população caso bancos quebrem.

O G-20 ainda comunicou que os países vão começar a trocar informações sobre impostos automaticamente entre si e com outras nações fora do bloco até 2017 ou 2018 como uma forma de evitar evasão fiscal. Fonte: Market News International e Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EconomiaG-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.