G-20 precisa de força-tarefa para lidar com colapso de bancos, diz IIF

Proposta é sugestão de como lidar com instituições que são consideradas muito grandes para quebrar

Álvaro Campos, da Agência Estado,

24 de maio de 2010 | 17h26

O Grupo de 20 países desenvolvidos e em desenvolvimento (G-20) deve estabelecer uma força-tarefa para desenvolver um sistema internacional para lidar com o colapso de bancos transfronteiras, em um esforço para evitar as turbulências que se espalha pelos mercados e para poupar os contribuintes de terem de ajudar esses bancos, afirmou nesta segunda-feira o Instituto de Finanças Internacional (IIF, em inglês), grupo que reúne os maiores bancos do mundo.

A proposta é parte de uma tentativa dos bancos de conduzir os debates regulatórios internacionais sobre como lidar com bancos que são considerados muito grandes para quebrar, em um momento em que os governos dos Estados Unidos e do Reino Unido estão cada vez mais perto de dividir bancos para que as atividades de maior risco não contaminem os serviços para consumidores individuais.

Os bancos têm argumentado que grandes grupos são essenciais para fornecer serviços  para as empresas com boa relação custo-benefício e acesso a mercados de capitais de todo o mundo, de uma forma que ajuda o crescimento da economia global.

O Senado dos EUA aprovou na última quinta-feira uma legislação inovadora, introduzindo o que ficou conhecido com a regra Volcker, em razão de seu proponente e ex-chefe do Federal Reserve (o banco central americano), Paul Volcker, que vai permitir às autoridades reguladoras limitarem o "proprietary trading" - que consiste em investir nos mercados com recursos próprios - dos bancos.

O novo governo de coalizão do Reino Unido tem dito que vai estabelecer uma comissão independente para, dentro de um ano, apresentar um relatório indicando como separar as funções varejistas e de investimento dos bancos de uma "forma sustentável". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bancosregulaçãoIIFcrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.