Gabrielli confirma plano para nova refinaria da Petrobras

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, confirmou hoje a intenção da empresa de construir uma refinaria de grande porte no País, com capacidade para processar 500 mil barris de petróleo por dia a partir de 2014. A informação havia sido revelada pelo diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, em entrevista na semana passada, mas ainda não consta no plano estratégico da estatal.Segundo Gabrielli, ela só será planejada a partir de 2010, quando a Petrobras irá definir o local de sua instalação. "Até lá, temos que nos concentrar em outros negócios", disse o executivo, provavelmente se referindo a outras duas unidades de refino que a Petrobras estuda para o Brasil, sendo uma em parceria com a PDVSA, no Estado de Pernambuco, e outra em parceria com o Grupo Ultra, no Estado do Rio de Janeiro.PerfuraçãoEle também afirmou que o aquecimento do setor de perfuração de poços de petróleo no mundo todo deve fazer com que a companhia dobre seus gastos com sondas e equipamentos voltados para o segmento em 2006. A perspectiva é de que estes gastos atinjam US$ 7 bilhões este ano, ou cerca de 80% do volume estimado de custos do setor de Exploração e Produção de Petróleo.Segundo o executivo, os custos só não serão maiores porque desde 2005, a empresa vem adotando uma estratégia de antecipar a renovação de contratos que estavam por vencer até 2008 e ainda prorrogá-los por um prazo mais longo. "Com o aumento de custos que estamos verificando no mercado internacional ao longo do tempo, percebemos que nossa estratégia se mostrou extremamente eficiente", comentou.A estimativa de gastos foi feita por Gabrielli durante entrevista coletiva realizada após a assinatura de contratos para a construção de seis sondas de perfuração, que a Petrobras vai afretar por cinco anos, a partir de 2009, no valor total de R$ 10,5 bilhões.As sondas serão construídas por quatro empresas brasileiras - Odebrecht, Petroserv, Queiroz Galvão e Schahin - devendo gerar em torno de 200 empregos diretos por unidade durante sua operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.