GAP destaca ações de ALL, Lojas Americanas e Cesp

Passado o maior grau de incerteza com relação ao desempenho da economia internacional, a Bolsa de Valores de São Paulo deve se manter atrativa no médio e longo prazos. A análise é de Ivan Guetta, gestor de renda variável da GAP Asset Management. Ele acredita que a trajetória de queda dos juros é outro fator que deve estimular a procura dos investidores pelo mercado acionário. A instituição, que possui um total de R$ 1,5 bilhão em recursos sob gestão, destaca o potencial de crescimento das empresas ligadas à economia interna. Os papéis da ALL fazem parte desse grupo, segundo Guetta. Ele lembra que a companhia possui uma boa gestão e está bem posicionada no setor de infra-estrutura, principalmente após a aquisição da Brasil Ferrovias, em maio deste ano. ?Enquanto o País vive um ?apagão logístico?, a ALL reúne boas condições para absorver a demanda?, avalia. Para o gestor, os números do terceiro trimestre devem trazer uma melhora no grau de eficiência da Brasil Ferrovias, movimento que já pôde ser captado no balanço do período de abril a junho. Além de ALL, outra empresa que deve vir com resultados trimestrais expressivos é Lojas Americanas, na avaliação de Guetta. ?A companhia vem apresentando números excepcionais, tanto nas vendas pela internet como nas lojas físicas.? Ele observa que o papel tem bastante espaço para subir, com a expectativa de que a rede varejista leve à frente o ambicioso plano de expansão. O crescimento da economia doméstica também favorece a Cesp, segundo o profissional da GAP. Para ele, a eleição no primeiro turno do tucano José Serra para o governo de São Paulo abre a possibilidade de retomada do processo de privatização, interrompido na época do racionamento de energia, em 2001. ?Atualmente, a ação não precifica essa possibilidade." Ele afirma que a posição em Cesp, contudo, é válida mesmo que a venda para a iniciativa privada não se concretize. ?A companhia possui exposição aos preços de longo prazo de energia, o que é positivo, e possui o fluxo de caixa praticamente definido até 2012?, destaca. Com relação às ações com maior exposição aos mercados internacionais, como as do segmento de commodities, a GAP voltou a elevar a posição - principalmente em Vale e siderúrgicas - após a queda registrada pelos papéis em setembro. ?Mas esse porcentual hoje não é tão grande como foi no passado?, pondera. A aquisição da mineradora canadense Inco pela Vale foi classificada como ?muito positiva? por Guetta. Ele avalia que o cenário, tanto para o minério de ferro como para o níquel, seguirá favorável para a companhia brasileira.

Agencia Estado,

30 de outubro de 2006 | 07h00

Tudo o que sabemos sobre:
ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.