Geopolítica volta ao foco e sobe preço do petróleo

Os preços dos contratos futuros de petróleo negociados na ICE Futures, em Londres, e no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) estão em alta hoje. Segundo operadores, o fato de o presidente dos EUA, George W. Bush, ter reiterado ontem sua preocupação com a ameaça apresentada pelo programa nuclear iraquiano e a notícia de que uma facção saudita ligada à Al-Qaeda teria exortado militantes a atacar unidades de produção de petróleo ajudam a sustentar os preços do óleo. "Embora não haja novidade nesse tipo de notícia, isso ajuda a mudar o foco da atenção do mercado", disse um operador de Londres. As reportagens contribuem para uma recuperação em relação à onda de vendas de ontem, mas a causa desse recuo - uma queda menor que a esperada dos estoques de destilados nos EUA - não foi totalmente esquecida. Além disso, as previsões de aumento da temperatura no nordeste dos EUA nas duas últimas semanas de fevereiro deverão se traduzir em redução da demanda por óleo para aquecimento. É por isso que o rompimento da resistência de US$ 60 o barril não deverá ocorrer, mas as preocupações geopolíticas podem pelo menos manter intacto o suporte de US$ 56,70 o barril do petróleo Brent para entrega em abril negociado em Londres. Prever a direção dos preços é uma tarefa difícil no momento atual, segundo o analista Peter Beutel, da Cameron Hanover. As tendências sazonais poderão mostrar alguma direção. "Os preços geralmente sobem a partir do início de março e até meados de maio, caem em junho e depois voltam a avançar do início de julho até outubro", afirmou. Às 12h20 (de Brasília), o contrato futuro de petróleo Brent com vencimento em abril subia 0,54%, para US$ 57,74 o barril na ICE Futures, em Londres. Em Nova York, o petróleo bruto (vencimento em março) avançava 0,22%, para US$ 58,13 o barril. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.