Gerdau deve concluir em 6 meses estudos para aquisição na China

A Gerdau deve concluir em torno de seis meses os estudos sobre oportunidades de compra na China. De acordo com o vice-presidente executivo de finanças e diretor de relações com investidores da siderúrgica, Osvaldo Schirmer, a empresa constituiu uma equipe de avaliação e contratou consultorias que devem apresentar a melhor alternativa de investimento. "Em seis empresas o grupo poderá decidir sobre o fazer, como fazer e com quem fazer. Conforme o executivo, a companhia não está olhando a China com objetivo de realizar qualquer negócios, a idéia é encontrar a oportunidade ou nichos de mercado onde possa ter uma posição distinguida. Segundo ele, a pretensão não é produzir grandes volumes em um mercado com excesso de capacidade. A Gerdau tem olhado oportunidades também na Índia e no Leste da Europa. "De forma diligente, estamos olhando todas as oportunidades", explica Schirmer. O mais adiantado, no entanto, é o da China.O diretor explicou ainda que dificilmente a siderúrgica deverá atuar em nichos onde não tem conhecimento. O interesse está voltado no atendimento do setor automobilístico, em franca expansão naquele país. "Vamos entrar com um produto onde já temos tradição", concluiu. Em teleconferência com jornalistas, o executivo destacou o programa de investimentos orçado em US$ 3,8 bilhões entre 2006 e 2008 destinado ao aumento de capacidade e manutenção das plantas atuais. O objetivo da empresa é elevar a produção de aço bruto de 19 milhões de toneladas para 22 milhões de toneladas e incrementar a fabricação de laminados, atingindo dos 18 milhões de toneladas contra 14,4 milhões de toneladas fabricadas hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.