EFE
EFE

GlaxoSmith é condenada na China por caso de corrupção

Empresa farmacêutica britânica pagará multa recorde no valor de US$ 488,8 milhões por suborno

Estadão Conteúdo

19 de setembro de 2014 | 08h25

A farmacêutica britânica GlaxoSmithKline informou nesta sexta-feira, 19, que sua unidade na China foi condenada por uma corte do país por um caso de corrupção de agentes não-governamentais para obter vantagem comercial. A multa foi estipulada em US$ 488,8 milhões.

Um ex-gerente e outros executivos foram condenados a prisão por suborno de médicos e hospitais para que os remédios da marca Glaxo fossem usados e receitados. Autoridades chinesas não informaram quantos funcipnários e ex-funcionários foram presos e nem o tamanho da pena. Quatro trabalhadores chineses da empresa confessaram o crime.

A GSK informou que repudia o suborno e que está colaborando com as investigações.

"As atividades ilegais da GSK China Investment vão claramente contra os procedimentos de governança e compliance da empresa e são completamente contrários aos valores esperados dos funcionários da GSK", informou o comunicado publicado hoje.

A empresa farmacêutica acrescentou que cooperou integralmente com as autoridades e tomou as medidas necessárias para retificar os problemas identificados. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
GlaxoSmithKlinecorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.