Gol estuda compra de aviões como o E-195 da Embraer

O vice-presidente de Relações Institucionais da Gol, Alberto Farjeman, confirmou há pouco que a empresa avalia a possibilidade de comprar aeronaves com entre 130 e 140 assentos, incluindo o E-195 da nova geração de aeronaves comerciais da Embraer, E2. "Estamos olhando seriamente, comparando os aviões", disse Farjeman, que considerou a nova aeronave da fabricante brasileira "um bom avião".

LUCIANA COLLET, Estadão Conteúdo

18 de setembro de 2014 | 17h29

Ele salientou, porém, que a padronização segue como estratégia. "Continuamos acreditando em padronização de frota, mas isso não significa que não vamos olhar os outros aviões", comentou. A Gol opera hoje exclusivamente com aeronaves da Boeing e sempre indicou que a padronização era estratégica, porque colaborava na eficiência de custos.

Farjerman evitou dizer quando uma decisão poderia ser tomada. "É uma decisão difícil", afirmou. Ele lembrou que a Embraer só deve entregar sua primeira aeronave E2 em 2018, o E190. O E-195, com 132 assentos, em análise pela Gol, só deve ser entregue em 2019.

O executivo disse também que o fato de a companhia estudar as aeronaves da Embraer não está "necessariamente" relacionado ao Plano de Aviação Regional. Ele lembrou que a companhia já atende 22 destinos regionais com a frota atual.

O Plano de Aviação Regional prevê subsídios para até 60 assentos, ou 50% da capacidade das aeronaves, em voos com origem e/ou destino em aeroportos regionais. A proposta, lançada oficialmente por meio de Medida Provisória em julho, está em análise no Congresso Nacional. Parte do setor vê com ceticismo a possibilidade de o subsídio ser efetivamente implementado.

Tudo o que sabemos sobre:
GolE-195Embraer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.