Grécia e Espanha pagam retorno a investidor mais alto em leilões de títulos

Mercado ainda permanece frágil à espera de um voto de confiança do Parlamento grego ao governo do país, que acontecerá hoje

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de junho de 2011 | 08h26

A Grécia e a Espanha ofereceram yields (taxa de retorno ao investidor) mais altos do que anteriormente em leilões nesta manhã, enquanto o mercado permanece frágil à espera de um voto de confiança do Parlamento grego ao governo do país, que acontecerá hoje. O voto é uma precondição para que a Grécia receba a próxima parcela do pacote de ajuda fechado no ano passado.

A Agência de Gerenciamento da Dívida Pública da Grécia vendeu 1,625 bilhão de euros em títulos de 13 semanas, incluindo uma tranche não competitiva de 30%, com yield uniforme de 4,62%, em comparação com 4,06% no leilão de 17 de maio. A relação entre ofertas feitas e aceitas (bid-to-cover) caiu para 2,94, de 3,3 no leilão anterior.

Embora o custo de financiamento da Grécia tenha aumentado significativamente hoje, o país conseguiu pagar yield menor do que o de 4,863% oferecido por Portugal nos papéis de três meses em 15 de junho, comentou Chiara Cremonesi, estrategista do UniCredit.

O Tesouro Espanhol vendeu um total de 2,988 bilhões de euros em títulos de três e seis meses, perto do topo da faixa pretendida, que ia de 2,25 bilhões de euros a 3,25 bilhões de euros. Os papéis de três meses tiveram yield de 1,568%, em comparação com 1,380% no leilão de 24 de maio, e os de seis meses tiveram yield de 1,776%, em comparação com 1,766%. A oferta atraiu demanda total de 15,04 bilhões de euros.

As incertezas sobre um novo pacote de empréstimos para a Grécia tem aumentado o nervosismo nos mercados nos últimos dias, elevando os custos de financiamento para países da zona do euro com rating abaixo de AAA, apesar de os títulos de curto prazo serem considerados menos voláteis do que os bônus de longo prazo em razão de sua alta base de compradores domésticos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.