Grécia não precisa emitir bônus até final de abril

Segundo o vice-ministro das Finanças, Philippos Sachinidis, país precisa tomar emprestado 54 bilhões de euros no total

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

22 de março de 2010 | 09h57

O governo grego não precisa tomar recursos nos mercados financeiros internacionais até o final de abril e não decidiu quando retornará ao mercado, segundo o vice-ministro das Finanças, Philippos Sachinidis. Em entrevista concedida no final de semana para a rede de TV privada Mega, Sachinidis disse ainda que a Grécia tem outros meios para cobrir suas necessidades imediatas de financiamento.

 

"O país precisa tomar emprestado 54 bilhões de euros no total (este ano). Tomamos aproximadamente 15 bilhões de euros e temos a possibilidade, nesse momento, de nos mantermos até o final de abril; até aproximadamente o final de abril sem recorrer aos mercados", afirmou. "Não tomamos uma decisão se iremos captar no mercado", acrescentou. Ele disse ainda que "há um núcleo de necessidades de empréstimos que pode ser satisfeito por outras modos".

 

Desde o início do ano, a Grécia realizou duas captações por meio da venda de bônus de longo prazo no mercado de capitais, por meio de colocações privadas de títulos e leilão de títulos do Tesouro de curto prazo.

 

Entretanto, o país precisa cobrir 22 bilhões de euros em dívida com vencimento em abril e maio, o que provocou especulações de que o país tivesse de recorrer ao mercado de capitais no começo desta semana para levantar os recursos.

 

As autoridades gregas dizem que, antes de optar por uma nova emissão, o governo terá de esperar para ver o resultado do encontro deste final de semana dos líderes europeus, no qual as autoridades podem discutir uma ajuda para a Grécia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia, bônus, Philippos Sachinidis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.