Greve do Tesouro afeta operações com mercado

A mesa de operação do Tesouro Nacional com o mercado financeiro está praticamente parada devido à greve dos funcionários do órgão, que ganhou força ontem e hoje. São os coordenadores de áreas que estão se revezando num plantão na mesa de operações. A adesão ao movimento é de quase 100% da categoria, inclusive de funcionários que têm cargo com comissão. Apenas os coordenadores, que exercem cargos de chefia, continuam trabalhando. Essa é a maior paralisação do Tesouro nos últimos anos. O presidente da União Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças e Controle (Unacon), Fernando Antunes, se reuniu hoje pela manhã com o secretário do Tesouro Nacional, Carlos Kawall. O Unacon é o sindicato que representa os servidores do Tesouro. Segundo informe do Unacon, a paralisação é por tempo indeterminado até que o governo apresente uma proposta para os servidores. Durante o encontro, Antunes pediu a Kawall que transmitisse ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, a necessidade de uma tabela salarial única. O Unacon informou que Kawall deixou claro que os servidores do Tesouro Nacional não terão tratamento diferente ao oferecido aos servidores das outras carreiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.