HK fecha em queda de 0,9% com decisão do BC chinês

Com exceção de China, as demais bolsas da Ásia que encerraram os pregões até as 7h30 (de Brasília) tiveram desempenho negativo. As maiores quedas foram no mercado australiano, devido à baixa nos preços dos metais, que fez recuar os papéis das principais mineradoras do país, e em Taiwan, que foi abalada pela crise em duas subsidiárias do conglomerado Rebar Group, que atua nas áreas de construção pesada, comunicações, financeiro, mídia e outros setores industriais. A Bolsa de Tóquio não operou devido a feriado no Japão. A Bolsa de Hong Kong encerrou o pregão em baixa, pressionada pela decisão anunciada na sexta-feira pelo banco central chinês, de aumentar a taxa de depósito compulsório dos bancos. O índice Hang Seng caiu 0,9%. A valorização das ações do setor imobiliário compensou parcialmente os efeitos negativos da decisão sobre os papéis dos bancos. SHK Properties avançou 2,3%, Cheung Kong se valorizou 3,6% e Henderson Land teve alta de 3,2%. Compras institucionais de ações das empresas de geração de energia e de produção de carvão determinaram a alta dos principais índices da Bolsa de Xangai, na China. O mercado ignorou os planos anunciados pelo banco central na sexta-feira. O índice Xangai Composto fechou com alta de 2,5% e o Shenzhen Composto, de 3%. Segundo os analistas, as ações podem enfrentar uma pressão baixista amanhã, quando o interesse dos investidores deve se voltar para o lançamento dos papéis denominados em yuan da China Life Insurance, a maior seguradora do país. No pregão desta segunda-feira, SDIC Huajing Power atingiu a valorização limite de 10% e Huadian Power International ganhou 7,8%. Entre as produtoras de carvão, Guizhou Panjiang Refined Coal se valorizou 4,1% e Shaxi Antai Group também atingiu o limite de 10% de alta. Depois de começarem o dia em baixa, como reação à decisão do banco central, as ações do setor bancário fecharam em alta. Os papéis do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, na sigla em inglês) subiram 1,7% e os do Shanghai Pudong Development avançaram 2%. A valorização do dólar frente ao euro ajudou a empurrar o yuan para seu nível mais baixo em mais de uma semana. A cotação da moeda norte-americana em relação ao euro atingiu seu valor mais alto das últimas seis semanas, o que acabou ofuscando os movimentos da China para elevar o compulsório dos bancos e permitir que os cidadãos comprem mais moeda estrangeira. No sistema automático de preços, o dólar subia para 7,8113 yuans às 5h20 (hora de Brasília), ante 7,8038 yuans no fechamento de sexta-feira. A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em queda pela segunda sessão consecutiva. O índice Taiwan Weighted encerrou o pregão próximo do nível mínimo do dia, depois de recuar 1,3%. Ações do setor financeiro foram afetadas pela crise do Rebar Group. Duas subsidiárias do conglomerado solicitaram reestruturação das dívidas, nos termos da proteção contra falências. Cathay Financial Holding caiu 2,6% e EnTie Commercial Bank perdeu 1,1%. No setor de tecnologia, as ações caíram diante da perspectiva da queda sazonal no faturamento das empresas no primeiro trimestre. TSMC baixou 1,6% e MediaTek recuou 3,8%. Na Coréia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul terminou em baixa de 1,1%, puxado pelas ações dos setores de tecnologia e construção, num dia de fraco volume de negócios. Samsung Electronics declinou 2,2%, Kookmin Bank caiu 0,6% e Hyundai Engineering & Construction perdeu 4%. A queda no preço dos metais e o resultado negativo em Wall Street, na sexta-feira, puxaram para baixo o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney, na Austrália. O indicador apresentou queda de 1,26%. Tanto as ações da mineradora BHP Billiton quanto as de sua rival Rio Tinto caíram 1,2%. A baixa de sexta-feira em Wall Street também se refletiu na Bolsa de Manila, nas Filipinas, onde o índice PSE Composto recuou 1,5%, depois de ter atingido na semana passada seu maior total de pontos em quase uma década. O pregão foi dominado pelas blue chips: Ayala Land declinou 1,6%, Philippine Long Distance Telephone (PLDT) caiu 2,2% e SM Prime registrou perda de 2,2%. Na Bolsa de Jacarta, na Indonésia, o índice JSX Composto recuou 1%, devido às vendas da gigante de telefonia Telkom, que baixou 1,5% após o enfraquecimento de suas ADR's no mercado nova-iorquino sexta-feira. A distribuidora de gás Gas Negara recuou 2,3, em um movimento de consolidação. Na Malásia, o índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur fechou em baixa de 0,66% e, na Bolsa de Cingapura, o índice Strait Times perdeu 0,96%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.